28 abril 2010

Sêneca - Final do Livro

1 comentários
Foram 2 maravilhosos meses de leitura do livro "Sêneca- As relações humanas: a amizade, os livros, a filosofia, o sábio e a atitude perante a morte"; o qual é composto de algumas das cartas de Sêneca para Lucílio.

Após ler tais obras, eu diria que a leitura de Sêneca seria  quase que um complemento a Bíblia necessário para qualquer um que busca compreender a significância do autêntico cristianismo; porém, o mais interessante de tudo é que Sêneca nunca foi cristão, nem o conheceu o cristianismo, tampouco lidou com a cultura e filosofia judáica; mas veio de uma origem da filósofos estóicos.

Por fim, há um monte de coisas que gostaria de poder compartilhar de tal filosofia; e deixo aqui o último capítulo, ou última carta deste livro - Carta CXXIII; a qual de certa forma é uma grande repreensão aos modismos, seguir a maioria, consumismo, e meros prazeres... pois tais conduzem a corrupção da alma [uma leitura bem vinda numa época dominada pelo capitalismo]. A qual, por motivos de preguiça plena, ao invés de redigi-la scaniei. Clique nas imagens abaixo para vizualizá-las.




E, também, gostaria de compartilhar um comentário que há no livro sobre o autor:

"[...] Mas não é o austero professor de filosofia que fala nas cartas, tampouco o retórico. A filosofia para ele tem uma finalidade inconfundível. Ela forma a alma, a afeiçoa, regra a vida, guia as ações, mostra o que se deve fazer ou evitar. Não se trata de dar à contemplação belas frases, mas sim de propiciar a busca do Bem. Procura-se conduzir uma alma de qualidade à sabedoria, a discernir os verdadeiros valores, a viver segundo a Razão, a guiá-la para a contemplação da Natureza, portanto do Divino. O verdadeiro conhecimento é aquele que permite descobrir a Natureza e vivver em harmonia com ela. Sobretudo, ele nos liberta do medo da morte. É missão do filósofo levar o homem a superar essa angústia.



Desse modo, para formar o seu discípulo, Sêneca parte do mais concreto. Recorre a eventos que tanto o remetente quanto o seu destinatário presenciam e vivem todos os dias, para, só então e a partir desses eventos concretos, desenvolver reflexões sobre a natureza deles. Meditações aprofundadas sobre a morte, sobre a amizade, sobre a filosofia, são na seqüência encaminhadas a seu destinatário. O professor-amigo é uma chama viva, sempre à procura, dando de si ao outro para dar-se a si mesmo."


Agora é seguir com o próximo da lista. Por enquanto, "Da Tranquilidade da Vida", também de Sêneca.

26 abril 2010

O Poder do Perdão

1 comentários
"Tomem cuidado.Se o seu irmão pecar, repreenda-o e, se ele se arrepender, perdoe-lhe. Se pecar contra você sete vezes no dia, e sete vezes voltar a você e disser: Estou arrependido, perdoe-lhe."
Lucas 16:3 - 4

Nos últimos dias, minha mente pensou muito no perdão, principalmente pelo contexto qual estou passando; alias, qual - coincidencia? - foi parte do tema do sermão do Pr. Ronaldo Arco da UCB, neste sábado, no Dia Mundial dos Desbravadores. Mas sabe, esse tema - perdão - me lembrou muito das aulas de psicologia na faculdade.

Um dos pensamentos que mais insistia era: "Se todos fossem ensinados a amar e perdoar desde criança, era o fim dos psicólogos." Por quê? Porque a grande maioria dos problemas que se manifestam na verdade são transtornos e traumas do passado não superados (e os mais intensos, normalmente são atribuidos a infância). Claro, segundo Freud tudo era um trauma sexual de infância; mas hoje - ainda bem - a coisa é muito mais desenvolvida.

A vida é cheia de traumas e transtornos, alguns são nós que fazemos, outros são outros. Mas por que dói tanto? E o interessante, é que quanto mais intimo, mais dói. Há homens na história que suportaram a tortura mais cruel, mas que não suportaram a traição de algum ente muito querido, ou a sua própria culpa e se cuicidaram por fim. Se alguem que você não conhece faz algum mal, você por fim acaba pouco ligando; mas se for seu melhor amigo, ou irmão, ou seu pai, mãe, ou seu filho (não tenho filhos, mas isso me faz imaginar o que é ser um pai)... então a coisa é realmente forte, MUITO forte. É quase impossível de se pensar numa mãe traindo o próprio filho; então imagine o transtorno que é para um filho quando isso acontece! E de fato, um dos piores traumas existentes, são quando pais ferem os corações dos filhos quando crianças (como pais que abusam sexualmente de filhos, ou que traumatizam através de uma postura religiosa). Há uma grande aceitação de psicólogos que boa parte dos ateus e "anti-cristãos" eram filhos de pais cristãos, ou de parentes cristãos, em que o suposto cristianismo de tais traumatizou, quando eram criança. Aliás, o que imaginar das crianças que foram violentadas por padres? Esses traumas, são certamente um dos mais difíceis de se superar. Aliás, quão violento é para um filho o divórcio dos pais!

Mas há um outro trauma que considero ainda pior: É quando nós fazemos um mau para alguem que amamos. A culpa que isso carrega é imensurável. Ultimamente, houveram momentos que até me fez querer não ter existido, e então não teria feito tamanhas feridas. E aí, pode desenvolver um dos piores problemas: "Quando a pessoa não se perdoa."

Mas por que isso ocorre?
Segundo uma perspectiva da psicologia crítica, o homem tem 2 posturas: "Abertura" ou "fechadura". Um verdadeiro relacionamento só acontece quando nos abrimos, isso automaticamente envolve confiar, dar valor. Abertura é uma autodisposição a participar, compartilhar, carregar todas as experiencias, dores, alegrias, amarguras do próximo. Inclusive dar a própria vida por ele. E isso é uma essência do nosso ser. Quando pensamos no homem, temos que pensar nos relacionamentos que formam este homem. Ou seja, quando penso no Evandro, estou pensando em todos os relacionamentos para o qual ele é profundamente aberto (meus pais, amigos, familia, música, Deus, natureza, etc. -  sobretudo, as pessoas e Deus.); tais são o que me formam nesse homem que sou e pensa. Salomão já dizia que as amizades moldam o homem; diga com quem andas e direis que tu és, e por aí vai. Essa abertura são laços que criamos, cordas que sustentam nossa vida, existencia, ser; aquilo que acreditamos, que temos esperança, o que nos dá vontade, propósito, energia, disposição para viver. E isso apenas ocorre quando estamos com a porta aberta; formando um verdadeiro relacionamento afetivo educativo. Educativo, porque essas conexões te constrói, desenvolve, tanto você, quanto quem está na outra ponta da corda.

Enquanto não houver uma abertura, esses laços não são feitos. Uma postura fechada impede não só de criar o laço, mas até mesmo de compreender, ensinar. Como no trabalho de estágio que fiz na disciplina, e depois discutido em sala de aula com outros graduandos; as crianças que eram fechadas com o Evandro, simplesmente não se interessavam, não prestavam atenção, nem tinham a vontade de tentar entender o que ele dizia por mais didático que ele se esforçava; já as crianças que estavam abertas para com o Evandro, sobretudo as mais amigas: o Evandro até mesmo podia estar muito limitado na didática, e cometendo erros, mas elas se esforçavam naturalmente para compreender e entender. E por fim o professor descreveu isso, deste modo: quando se faz esses laços frutos de uma abertura, se torna plenamente intimo, tão intimo que é quase como dizer que "o seu pensamento é o pensamento do outro", a pessoa não se satisfaz se não compreender o que a outra ponta está pensando; ela quer fazer parte disso; e mais, pois isso é parte dela.
Isso me fez pensar nos pensamentos de Sêneca

"Se tu vês um homem como amigo sem teres nele tanta confiança quanto em ti mesmo, tu te enganas muito e só tens uma vaga idéia do valor da verdadeira amizade."
"Podieria citar-se muitos homens que sentiram falta não de um amigo, mas da amizade."
"Perguntas-me, escreve ele, que progresso eu fiz? Tornei-me meu próprio amigo." [Quando se tem uma verdadeira amizade]
"Se queres ser amado, ama!"
"Tiramos a grandeza da amizade, quando nela vemos um meio de ganhar alguma coisa."

E Sêneca desenvolve uma idéia de que a amizade se torna uma união tão intima, como se fosse uma só carne (ou seja, é como a corda fosse tão curta que as duas pontas fossem uma só.). Logo, quando se está amando ao próximo, quando se está educando o próximo, quando se está amando o próximo, quando se está perdoando o próximo, na verdade, por fim, está fazendo tudo isso a si mesmo. Que incrível é esse pensamento, pois Jesus disse: "Perdoem, e serão perdoados." Lucas 6:37
Mas aí acontece o trauma, uma das duas pontas pega uma faca e tenta cortar a corda. E, algumas vezes, é algo tão forte que chega a rompê-la. Em seguida, a vitima tende se fechar rapidamente. O homem se fecha = GRANDE TRAUMA. Na verdade o homem está arrancando o próprio braço, coração, ele está cortando fora aquilo que lhe forma; aquilo que forma sua vida, seus planos, vontades, pensamentos, desejos, motivações, sua base. E isso dói! E como dói! Por isso é tão duro fechar uma porta. Este é o maior trauma que pode ser feito. Quando fechamos a porta para alguem, para um relacionamento. E se fechamos, isso se torna um trauma não superado. A vida passa a entrar em desequilibrio, com uma das pontas cortadas; o todo não funciona em harmonia, e esta doença vai se desenvolvendo pelo resto da sua vida, e, na maioria, muito sutilmente, destruindo aos poucos muitas coisas do homem. Às vezes, o estrago é tanto, que tais pessoas precisam ir ao psicólogo. E aí, aquela busca pelos traumas não superados.

Que interessante: "Eis que estou a porta e bato..." Jesus propondo perdão, abertura, reconciliação; mas nunca impõe. Acho que a melhor definição de "santo", neste momento, é "sem traumas". Lucifer é assim, porque não perdoou. Deus é assim, porque muito perdoou.

Mas o que Jesus diz quanto a isso?
"Se [a pessoa] pecar contra você sete vezes no dia, e sete vezes voltar a você e disser: Estou arrependido, perdoe-lhe."
A solução é simples. Talvez Sêneca diria: "Se a corda arrebentar, salte e agarra-se na pessoa, abrançando-a. E não mais solte até ter remendado a corda." (isso não lembra: "quem muito é perdoado, muito é amado"?). De fato, Jesus foi o maior psicólogo que já existiu. Pois o perdão é algo simplesmente maravilhoso, alguns dizem ser divino. Ele consegue curar as duas pontas, sobretudo aquele que perdoa! E quando se perdoa, está remendando a corda. Eu diria ser um remendo com um nó de pescador duplo, triplo, quadruplo, n-plo; que deixa a corda que une os dois ainda mais grossa e resistente. (Quem é desbravador vai entender melhor.)

O perdão abre as portas. O perdão promove vida; dá ar fresco mesmo na chaminé. O perdão une. E mais, o perdão é a verdadeira cura para os traumas.

Hoje eu tenho uma cicatriz de mais ou menos 1,1cm no dedão direito, de quando era criança e brincando com meu primo, ele me fez cortar ao quebrar o vidro da janela com um soco (fiquei imensamente bravo com ele. Até lembro que lhe disse: "Olha o que você fez!"). Hoje eu olho para isso, e é até que agradável; porque isso criou um laço com meu primo, muito querido, ao invés de destruir. Do mesmo modo, creio que Jesus eternamente carregara as marcas das feridas em suas mãos com grande agrado, prazer, satisfação, alegria. As quais abriram suas mãos, mas abriram portas, uniram corações, criaram laços inseparáveis para toda a eternidade.

Satanás é quem não quer que perdoemos, assim como ele não perdoa. Satanás é quem quer que sejamos rancorosos, magoados, infelizes, fechados, com medo, desconfiados, perplexos, e com várias cordas cortadas (aliás, ele quer substituir tudo isso por falsos laços que estão presos a nada). Já Deus é o contrário. O perdão salva vidas, salva amizades, salva alegrias, salva afetos, salva orgulho, dignidade, valor, confiança, esperança, salva até mesmo casamentos e evita guerras.

Ah se simplesmente as pessoas perdoassem uns aos outros, estariam amando-as. Como seria o mundo, se simplesmente, as pessoas perdoassem tão facilmente quanto respiram.

Que tal hoje mesmo recuperar e criar novos laços, abrir as portas? Se você errou, seja humilde, como foi o homem segundo o coração de Deus: "Então, disse Davi a Deus: Muito pequei em fazer tal coisa; porém, agora, peço-te que perdoes a iniqüidade de teu servo, porque procedi mui loucamente." I Cronicas 1:21 E se pisaram na bola contigo, olha, é tão simples: se tal se arrependeu, e pede perdão, não pense em mais nada, não pense na faca, mas no nó; vá e abraceo. Perdoe-o, e estará se perdoando e superando um trauma. E mesmo que ele não queira o seu perdão, perdoe-o; porém, ele não se permitirá ser perdoado. Mas não deixe nenhuma sujeira no seu coração. Não faça um estoque de "provas criminais". Se livre dessas coisas que apenas escurecem a vida. Leve lá fora, todas essas coisas e queime-as, limpe a casa, abra as portas, e agora com espaço novo, limpo.

Deus quer que entremos no Céu. Isso quer dizer a renovação da nossa mente, do nosso caráter, uma sáude perfeita, e isso, quer dizer, livre de todos os traumas; totalmente curados. Pois, se não perdoamos, por fim, não estaremos perdoando a nós mesmos, como então Deus nos perdoará?

O Maior Psicologo de todos os tempos nos deu a fórmula mágica da vida, da cura, dos relacionamentos. A Sua vida foi uma perfeita experiência de perdão. Todos os sacrícios de animais instituidos no passado significavam "Perdão". Quando Jesus morreu na cruz, exclamou "Perdão". E este perdão aponta, conduz para a vida, a eterna.

"E, quando estiverdes orando, se tendes alguma coisa contra alguém, perdoai, para que vosso Pai celestial vos perdoe as vossas ofensas."
Marcos 11:25

22 abril 2010

Retribuição

1 comentários
Hoje eu acabei de ver uma reflexão muito boa no blog da Vanessinha Meira, e uma das frases mais fortes era:

"Deus trouxe o seu melhor Cordeiro para aqueles que Lhe ofereciam os piores cordeiros."


O que eu e você temos oferecido para Deus? Mas oferecer para Deus, que é um ser ideal, que sempre agil coerente, amoroso e perfeito com nós, até nos motiva a querer dar o melhor para Ele. Aliás, não é isso o que cantamos em nossos louvores?

Mas Deus nos impele a agir com o próximo assim como Ele haje conosco. Ele nos perdoa, e nos diz para perdoar nossos devores. Ele nos ama e diz para amar o próximo como Cristo nos amou. Ele nos faz o bem, e diz para fazermos o bem ao próximo. E nesse caso especifico? Deus deu o Cordeiro perfeito para quem lhe dava do pior e ainda com múrmurio.

O que você, o que eu, o que nós oferecemos não somente para o próximo, mas para aqueles que nos enrolam, e que até mesmo xingam, e nos oferece apenas o pior de si? Temos oferecido/dado o nosso melhor para eles? Podemos até mesmo dizer: "Ela não merece!", mas e você, e eu, merecíamos o sacrificio de Jesus?

Outrora parece ser tão dificil perdoar. Mas quando olhamos para a cruz, somos movidos a tal ato misericordioso e amoroso.

Mas além disso, Deus não faz isso "por obrigação", com cara fechada; mas fazia com alegria e realmente do fundo do coração: “Não tenham medo. Estou trazendo boas novas de grande alegria, que são para todo o povo: hoje, na cidade de Davi, lhes nasceu o Salvador, que é Cristo, o Senhor” (Lc 2:8-11) Deus oferece o Seu melhor como um verdadeiro presente dado de coração. Assim sendo, o amor de Cristo deve nos mover a de modo igual, oferecer o nosso melhor, mesmo para quem oferece o seu pior para nós, e com grande alegria, como um grande presente.

E uma última lição. Deus enviou Cristo para se relacionar com as pessoas com o convite: "Vinde a mim...". Este é a intenção do maior de todos os presentes, o melhor de Deus. Um verdadeiro perdão, um verdadeiro amor ao próximo, um verdadeiro presente tem que ter esse propósito para com o próximo: "Vinde a mim." É um convite a um relacionamento amistoso - a fraternidade.


Que lições maravilhosas.
Que Deus maravilhoso.

Como ainda há gente que ousa difamar da Bíblia e dizer ser um livro violento, exclusivista, que impele a tantas coisas ruins. Sendo que aqui vemos a mais pura lição de Deus sobre o amor: "Dê o seu melhor até mesmo para quem lhe oferece o pior. Com alegria, amor e buscando a fraternidade."

19 abril 2010

A Triste e Dura Realidade e Futuro do Modo de Produção Capitalista

1 comentários
Por favor, rogo a todo ser vivente que olhar esse post assista com atenção esse excelente video de aproximadamente 20 minutos.



Algumas considerações...


Eu sou muito cético quanto a esta esperança renovadora verde. Apóio sim as tecnologias verdes, o fim ao estilo de vida insatisfatório, consumismo, materialismo e todas as vaidades acopladas que até inundaram as denominações religiosas em suas liturgias e considerações práticas doutrinárias (vide ao post anterior). Também não dúvido do surgimento de novas tecnologias que permitam reverter globalmente muitos problemas geradas por esse sistema, como a poluição atmosférica, da água, produção energética, entre outros. Mas, na verdade, sou profundamente pessimista quanto a isso e por 3 principais razões:

1. A natureza do problema
Não é um problema de mera ordem humana (o homem é o único culpado pelo desenvolvimento histórico desse sistema caótico). Mas pela Bíblia temos também a ação de outros seres inteligentes, poderosos, que direcionaram a humanidade nesse sentido, através do pecado. A Bíblia prescreve 2 profecias cumpridas (uma delas implicita). A primeira diz que nos últimos dias viriam dias trabalhosos, e isto é um fato; tão trabalhoso o é, que hoje temos o stress como a doença do século, até crianças de 8, 10 anos sofrem com isso. E a segunda diz que aí do homem que destrói a natureza, Deus irá fazer justiça quanto a isso. Implicitamente está última consideração tem um cunho profético ao considerar como intríseco ao pecado, e a uma condenação natural que se acumularia pela Terra com o desenvolvimento do pecado, que levará o mundo (se já não o levou) a ser semelhante ou mesmo pior que Sodoma e Gomorra, no sentido pecaminoso.

2. Mega população
A perspectiva para daqui 50 anos é que a população mundial duplique. Ou seja, de 7 bilhões de pessoas para mais de 14 bilhões de pessoas. Isto carrega pelo menos 4 variáveis importantes:
i. necessidade de aumento de produção
ii. aumento de produção de lixo (nem que seja as excretas humanas)
iii. possibilidade de ampliação de mercado consumidor para as corporações (mais poder, mais dinheiro)
iv. 'apertamento' demográfico

(i )
Pelo menos duas coisas será necessário: água e alimentos. (pode-se pensar também em remédios, produtos de limpeza entre os demais do luxo moderno). Porém é o seguinte: se duplicarmos os reservatórios e o espaço destinado a produção de alimentos, o que acontece? Simples, não tem espaço no mundo para isso! Sobretudo com a necessidade de mega-cidades superpovoadas. Além disso, seria necessário desmatar o que sobrou das florestas. (e é provável que apenas isso não garanta). E, o único modo de se fazer isso é recorrendo aos venenos, tóxicos, sintéticos, transgênicos, destruição, tecnologia. Que por sua vez necessitam da outra parte do sistema, de recursos, destruição, mais sintéticos, tóxicos. Para aumentar a produtividade aumentando o minimo possível o espaço.

Logo, pensando na sobrevivencia manutenção da vida, é preciso engolir a dimiunição da qualidade dos alimentos, da água, na destruição do meio-ambiente; para poder, pelo menos, manter bilhões de pessoas vivas. E os problemas de saúde resultantes tentarão ser compensados (adiar a morte), por meio de drogas remédios. E claro, é dificil imaginar um cenário em que todos terão acesso a isto. Aliás, suponho que haverá até a necessidade de surgir a "ração", a unidade básica de consumo, alimentação do homem. Diversidade alimentar, tende a ser cada vez mais iguaria e escaço, um privilégio de poucos.

E isto não é coerente com qual perspectiva de mudança (reforma), mas sim medidas rápidas, emergênciais, uma após outra.

(ii)
Tudo isso faz com que aumente a necessidade também de "o que fazer com o lixo resultante". Não é nem dúvida que haverá um povoamento cada vez maior da população verticalmente. O lixo também irá necessitar de maior espaço para tal, ou então, queimar. Mesmo com o aumento da industria de reciclagem. Aliás, se cada homem cagar defecar 500 gramas de coco por dia, mais 1L de urina, sem contar as celulas mortas da pele que produzem toxinas e poeira; haverá uma necessidade gigantesca por uma ampliação do sistema de esgoto e unidades de tratamento de esgoto, além de mais volume de pó nos aspiradores. Por fim, tudo demandando ainda mais espaço. Ainda mais que o reaproveitamente do lixo, reciclagem, não ocorre na mesma velocidade de sua geração; ou seja, irá sempre acumular ainda mais.

(iii)
Quem domina o mundo hoje, com certeza está na faixa de idade acima dos 40 anos. E que para tais, a importância com essas coisas é minima, apenas aquilo que é mais viavel para lhe trazer mais lucro no curto prazo. Ao mesmo tempo, que uma imensa população é um imenso mercado consumidor. Então a ordem será: "Vamos produzir mais." Ou seja, de tudo o que se vende, e produz que necessita de tóxicos, matéria-prima e espaço, aumentará.

(iv)
A grosso modo, irá duplicar o número de pessoas ao seu redor. E elas ocupam espaço, respiram, falam, transpiram. O que pensar da necessidade de locomoção (transporte)? E a demanda e qualidade de ar? E o tamanho das casas? E o crescimento vertical da cidade, que gera sombras, pernumbras, bloqueia o vento, ilhas de calor, e consequencias. As pessoas passaram a viver mais apertadas. Logo, tudo o que se tem hoje tende a ser substituido por essa nova necessidade de estruturação do espaço urbano para maximizar o espaço. Ou seja, mais construção, mais obras, mais produtos, mais demanda. Nunca haverá tempo para reorganizar, parar, reformar, mudar as coisas. Apenas uma aceleração dos processos atuais, cada vez mais intenso. Porém, o espaço fisico da Terra continua o mesmo, limitado.

A melhor solução? Um genocidio mundial. Por guerra, doença. Mas quem estará disposto a morrer? E a ética? Bem, então, vamos nos apertar. Que o planeta Terra é como colo de mãe, sempre cabe mais um.

3. Blindagem do sistema
Por que haveria mudança? O que seria necessário para essa mudança? Na realidade, sem precisar discutir muito isso, quase todos reconhecem que não há, não existe essa ferramenta. Que se trata de uma mudança em larga escala, global, e acima de tudo, das elites; de mentalidade, a qual tais conscientizariam de tias coisas, e lutassem por tal mudança. Mas e o incomodo da mudança?  E meus investimentos? E o sofrimento que tal mudança gerará? O que eu vou sair ganhando com isso? Talvez daqui 20 anos eu morra.

Não há nada que permita tal mudança. Um exemplo é a saúde, até os médicos dizem que é preciso deixar os alimentos gordurosos, a açucar, fazer exercicios fisicos diariamente. Mas o próprio médico não segue tal preescrição. Qual religião sabe como é extremamente dificil levar as pessoas através de uma reflexão uma mudança no estilo de vida, conscientização. Aliás, até as religiões se levaram pelo modo de vida capitalista.

Que mulher irá abandonar suas vaidades? Que empresa de griffis, roupas, e moda, irá dizer: "Use está roupa pelos próximos 10 anos."? Que empresa de automóveis irá dizer: "Para de comprar carro, e vá andar de bicicleta."? Qual frigorifero irá dizer: "Võcê não precisa comer carne para viver."? Enfim, quando iremos ver uma atitude das corporações e da mídia para tais fins de mudança, que ao mesmo tempo seria o mesmo que dizer: "Eu não vou mais lucrar. Ou vou diminuir meus ganhos. Ou vou ter prejuízo."? Quando iremos ver um comercial dizendo: "Você não precisa consumir nada para ser feliz." A própria educação (a esperança de muitos) está moldada dentro desde sistema. Dúvida? Bem, "Educação pelas Competências" está aí (atender as exigencias das corporações - é assim que seu filho será condicionado ensinado até sair da faculdade)

Não há qualquer mecanismo que possibilite tais mudanças no mundo. É totalmente utopia essa esperança que algumas pessoas e grupos possuem. Pois diga-se de passagem, o que as pessoas fazem, quando não têm que trabalhar? Beber, ver futebol, satisfazer o apetite insasiável, beber mais um pouco, desfrutar de alguns prazeres, sexo, beber de novo, jogar video-game, beber, fazer uma viagem, beber, fofocar um pouco, beber, falar coisas sem importância, beber. Bem, alguns mudam um pouco, também fumam e usam drogas. Como a Bíblia diz, este povo só quer saber de comer, beber e divertir-se.

O cara nasceu, ficou décadas estudando, com 50 anos se torna diretor da Coca-Cola, gnahando milhões por ano. E aí vem um ambientalista com esse papo para ele? O que ele vai fazer?

É triste, pessimista, mas é a realidade. Olhe para a maioria das pessoas que você vê no seu dia-dia, até muitas que você considera colegas ou mesmo amigas, o que está escrito na testa deles? Bem, vou ler para você: "Vai a merda! Não estou nem aí para você." Se não ama o próximo irá amar o mundo, ou uma árvore, uma onça no meio da África?

Eu mesmo, quantas vezes não sou ridicularizado, mal-compreendido até mesmo por minha mãe, por meu desapego material, por ficar anos e mais anos, com a mesma roupa. Aliás, tem roupa que eu uso de mais de 10 anos atrás. Não ligo para aparência, mas me entristece quando na aparência vejo a vaidade e a futulidade das pessoas. Há quem me acha louco por considerar triste ver pessoas maquiadas. Mas por que precisam disso para se engarem serem felizes? A loucura do capitalismo é tão louca, que as pessoas até mesmo querem deixar de ser "consumidores" e se tornarem "produtos" e fazendo um auto-marketing ("Olhe, sou assim e assim, me consuma.") Aliás, como é cruel entrevistas e dinâmicas de grupo.

Sabe, o seriado Chaves foi uma das melhores séries que houve, é uma forte critica ao capitalismo, implicito. Para começar eles sempre estão com a mesma roupa. E não é por isso que se tornam menos homens, menos afeituosos, menos empáticos, menos valorosos. Aliás, o personagem mais ofensivo é o Sr. Barriga que representa o capitalismo. E o mais afetuoso é o Chaves, a pobre criança que anda em trapos, passa fome e ainda pede comida. E detalhe, ninguém tinha um celular no bolso. Nem um computador.

De vez enquando eu reparo um pouco no ambiente de trabalho e vejo um monte de pessoas olhando para uma tela de computador. E fico pensando: "É para isso que nascemos? Para ficar boa parte do nosso tempo com as mãos em cima de objetos de plásticos e nossa retina fixada em algumas polegadas de LCD?" Ainda mais, ontem mesmo, fazendo uma caminhada pela cidade, bebo água num parque, e a água era horrível, com um sabor de claro entre outras coisas que simplesmente, tinha que me esforçar para beber; e pensei: "Como pode? Não era esse o plano original de Deus para homem, beber uma água tão ruim." Mas ao mesmo tempo, tem gente bebendo litros de cerveja por dia. As pessoas que você gostaria de estar próximas, estão na maior parte do tempo "lá", lá onde você não pode estar, mas elas estão, e como você, na rotina de fazer algum trabalho, estudnado, pesquisando, se entrentendo com uma TV, computador, música. Ou simplesmente lá, onde suas condições financeiras não lhe permitem tal luxo de se deslocar até lá e voltar a tempo de cumprir seus direitos para manter o modo de produção capitalista.

E quem sai do sistema? Deixa de ser um consumidor? Bem, ou ele tem uma casa no campo e se sustem com a própria terra. Ou então, está jogado nas ruas de uma cidade, passando frio, fedor, fome, doenças.

A própria religião se conforma com essa realidade e não sustenta decidida oposição.

Estão todos comodos. Caminhando como zumbis para o precipicio. E creio eu que apenas há anjos tentando alertar. Mas apenas é um ou outro que realmente se toca e muda de direção. E que por fim, se não for a volta de Jesus, então não resta mais nenhuma esperança, o resto passa de utopia.

E aí já consumiu hoje?

...

Quem me conhece sabe que meu negócio é juntar e investir o que ganho. Mas não como a maioria para propósitos consumistas. Mas, sobretudo, para conseguir, talvez, futuramente, sair do sistema. Com recursos o suficiente para bancar o resto da vida em alguma comunidade bucólica autosustentável modelo, alienado desse mundo grudento e ao mesmo tempo, repugnante. Ou então, morrer tentando. Senão, vale logo morrer agora mesmo. E daí?

Por fim, apenas digo que há apenas uma única esperança. E apenas por causa disso, e amar pessoas, para as quais quero que desfrutam dessa esperança, é que vivo. E se não for isso, estou perdendo meu tempo, e não faz diferença alguma morrer ou viver; pelo menos, se morrer, acaba o sofrimento de lutar para viver e manter a razão e espiritualidade neste mundo tão vil; onde na testa e mãos de cada um, se encontram as palavras: "Vai a merda!" Escrito.

E para finalizar, vai um outro:

18 abril 2010

Nova Descrição no Orkut

0 comentários
Compartilho aqui minha nova descrição no Orkut:

Arranque minhas riquezas,
Arranque minhas posses,
Arranque meus olhos,
meus braços, mi pernas;
Na ilha, isolada, me caves.
E até o ultimo folego consumir, serei o mais feliz dos homens.
Mas espere, não é só isso.
Mais do que isso; vale compartilhar.
Não o dia, nem a noite.
Mas de todos um só.
Passe. Acabe.
E ele continuará.
Não podes conter todas as estrelas no punho;
Mas pode conter toda a essência no coração.
Não um de pedra. Todavia, aquele que pode conter todas intempéries
da vida e da Fortuna
sem nunca infartar;
apenas sempre mais farto:
de felicidade e sabedoria
as quais compartilhar.
Com a Lua? Com o Sol?
Não.
Mas com todos os filhos e filhas
que um dia, sonharam em nascer.
Não meramente para viver.
Mas por quem morrer.

Por que aqui?
Porque, você.
E simplesmente, porque, você.
Se não fosse, você,
do que vale existir, viver?
Pois se isto não é morrer,
traz, à nulidade, o viver.

...

Se compreendermos a idéia de que Jesus morreu pelo mais misero dos homens; então, compreenderemos a vida, o valor das pessoas, como considerá-las e tratá-las. (E é simples, dando a nossa vida, por elas, mesmo a que mais desprezamos.)