19 março 2014

O Homem e o Trabalho

0 comentários
Por toda a História, podemos facilmente ver os Modos de Trabalhos no decorrer dos povos e da História. De certo modo, é dificil dizer que houve tempos em que trabalhar significou 'vida fácil', ou 'moleza', ou 'pouco esforço'; no máximo podemos apontar casos em que isso ocorreu. Mas claramente podemos ver as mudanças que ocorreram de tempos em tempos.

No inicio, o trabalho era principalmente da forma braçal, familiar. Pequenas agriculturas familiares ou tribais. Os trabalhos em geral, se davam durante a luz do dia. As pessoas trabalhavam durante o dia e a noite tinham o momento de convivencia com a familia/tribo, comiam melhor e etc.
É bom colocar que em tais tempos não havia a invenção humana das 'horas' e do 'relógio'. As pessoas não cronometravam seu tempo de trabalho. A duração do  'trabalho' ou melhor, das 'atividades', eram variáveis. Associavam a duração do dia. E ao verem que o sol iria se por, arrumavam as coisas, guardavam os animais, iam para casa. As vezes vinha chuva. E etc. O trabalho não era visto como uma trabalho, mas como atividades a desempenhar pela familia, pela sociedade, pelo próprio sustento etc.

O stress não existia. As relações afetivas eram muito mais fortes e profundas. As pessoas tomavam muito tempo uma com as outras. O próprio trabalho em si, geralmente era na companhia de outras pessoas, de modo que por muitas vezes, eram como momentos que temos com nossos amigos apenas nos feriados e fins de semana quando fazemos atividades juntas. Imagine amigos arando a terra, esperando a chuva passar, semeando sementes, cavando poços, demarcando território, preparando armadilhas, caças etc. Logo, no dia-dia, as atividades não só exercitavam o intelecto naturalmente e sem pressa, como também o corpo. E a noite era dedicada ao descanso.

Os trabalhos forçados ocorriam normalmente apenas quando pessoas eram obrigadas devido a escravidão, tiranos, guerras, ou tempos muito drásticos. E mesmo em tais, em geral, se obedecia como uma regra universal o trabalho diurno. Ainda mais, que a iluminação a noite era em geral precária.

Com os tempos, tecnologias foram sendo desenvolvidas. De inicio, a promessa do Ciência e da Revolução Industrial, seria que o homem conseguiria produzir tecnologias que o fizesse trabalhar menos, ter mais tempo para o lazer e a família, exercitar o intelecto, viver mais despreocupado. Porém, o tiro saiu pela culatra. Computadores foram inventados, e agora as pessoas precisam trabalhar na velocidade de um computador, como um computador. Sobre uma mesa, 100% focado, e só parar, quando o chip queimar. Milhões estão agora a trabalhar e trabalhar parados, de forma sedentária, de modo a se simularem como sendo uma máquina ao invés de homem, humano, amigos, família, tribo. Inventamos a tecnologia para termos noites bem iluminadas, com serviços, transporte, entre outros, e isto fez com que a noite, ao invés de 'pararmos', de termos o momento de união com amigos, familia, descanso; aproveitamos este 'tempo vago', para estudar, acrescentar novos acessórios e versões ao nosso robo (nosso corpo e mente) para assim, dar um upgrade na 'nossa máquina' e poder trabalhar mais, mais rápido, por mais tempo e mais concentrado. As noites se tornaram cada vez mais curtas. E inumeráveis problemas de saude criamos e passaram a existir, por causa de um modo doentio de se viver como um cancer.

A Bíblia é um livro que trata sobre o trabalho praticamente de capa a capa. Após a Criação, Deus dá ao homem o trabalho de administrar, ser a cabeça, o mantenedor, o organizador, o protetor do mundo. O homem responsável por cultivar a vida e as obras da criação. Já após o pecado, diz que "pelo suor do teu rosto comerás teu pão". O mundo que até então de forma harmoniosa, provinha os alimentos necessários ao homem. Agora ele teria que labutar, e desprender grande esforço, tempo e trabalho em prol de conseguir o seu alimento.

Salomão tem muitos provérbios a respeito do trabalho. Talvez seja a pessoa que mais é duro quanto a pessoas preguiçosas, vagabundas, que querem tudo na mão, que ficam só dormindo. Há vários duros provérbios sobre isso. Porém, há 2 pensamentos no livro de Eclesiastes que no meu ver são magnificos. Antes, é bom ressaltar que Salomão exalta o trabalhador diligente, o próprio Jesus faz uma parabola sobre o servo bom, aquele que com 1 moeda, conseguiu mais moedas. Mas veja com atenção:

"Tudo quanto te vier à mão para fazer, faze-o conforme as tuas forças, porque na sepultura, para onde tu vais, não há obra nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma.
Eclesiastes 9:10"

Devemos fazer o melhor possível o trabalho que vier para fazermos. Darmos o melhor de si. Porém, novamente, os homens de antigamente eram muito mais sábios. Eles sabiam, assim como eu e você sabemos, que trabalhar demais é penoso, é um male, nos esgotam. A história de Jacó e Labão mostra claramente um caso em o patrão tornou o trabalho de Jacó um puro sacrifício. Salomão, diz uma pérola, uma frase super clara para todas as gerações pensarem e meditarem:

"Somente um homem muito tolo, tão tolo, que nem consegue encontrar o caminho de casa, se esgota de tanto trabalhar." Ecl. 10:15

É tolisse se esgotar de tanto trabalhar. O relógio da vida não para. Há tempo para todas as coisas, e destruirmos o tempo das coisas para inflar o tempo do trabalho é uma loucura! Mas isso o fazemos. Porém não o fazemos - geralmente - porque queremos. Mas porque a sociedade muitas vezes nos impõe condições que precisamos nos esgotar para sobreviver, como escravos. Já outras simplesmente porque o trabalho se tornou um cancer em nossa vida que não para de crescer e vai roubando a vida vital dos outros órgãos, inflando e inflando, até nos levar a tal ponto de loucura que só conseguimos pensar e viver em função do trabalho.E muitas vezes isso simplesmente ocorre pela ambição, pelo desejo de mais poder, dinheiro e a 'fantasiosa segurança'. Para quais Salomão alerta:

"Quem ama o dinheiro não se fartará de dinheiro; nem o que ama a riqueza se fartará do ganho; também isso é vaidade." Ecl. 5:10

Vale a pena lembrar que o homem que disse tais palavras, era aquele que se tornou um dos mais ricos reis de seus tempos, talvez o mais rico da Antiguidade.

O mundo, as empresas hoje estão nessa louca e insasiavel corrida por dinheiro e mais dinheiro. Nunca se farta. E está a provocar culturas e males na sociedade e em seus trabalhadores. Algumas alternativas estão surgindo mas ainda timidas. Temos que tomar cuidado, encarar o espelho e ter um encontro com nossos olhos inchados, dores de tantos movimentos repetidos, articulações atrofiadas, postura destruída, mente vazia para a vida, relacionamentos, amigos, parentes que se tornaram distantes, filhos que se tornaram desconhecidos, e percebermos que sempre haverá trabalho e mais trabalho, não importe o quão trabalhemos hoje.

Na idade mais sóbria de seus pensamentos, concluiu salomão o ideal a respeito disso:
"Duas coisas te peço; não mas negues, antes que morra: Alonga de mim a falsidade e a mentira; não me dês nem a pobreza nem a riqueza: dá-me só o pão que me é necessário;" Prov. 30:7-8


Eis o ideal. O homem não viver, não trabalhar em função do dinheiro e do poder, mas do seu sustento, fazendo tudo o que vier em suas mãos da melhor forma possível. Dando também a devida atenção para todas as partes, todos os órgãos, de forma harmoniosa entre todas as partes da vida. Seja a familia, os amigos, a saúde, a arte, o desenvolvimento intelectual, crescer em todos os saberes, crescer na visão de mundo, a sociedade; ao invés de meros robôs programadas e otimizados para desempenhar um determinado conjunto de operações sentado numa cadeira, numa mesa.

"Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos.
Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela."
2 Timóteo 3:1-5

26 janeiro 2014

Eclesiastes - A Realidade Nua e Crua

0 comentários

"Melhor é ir à casa onde há luto do que ir à casa onde há banquete, pois naquele se vê o fim de todos os homens; e os vivos que o tomem em consideração. O coração dos sábios está na casa do luto, mas o dos insensatos, na casa da alegria."
Eclesiastes 7:2, 4

Quase todos - acredito eu - um dia param para pensar no significado de suas vidas, tão breves. Muitos dos grandes pensadores tentaram uma frustrado tentativa de criar uma ideia ridiculamente sem estrutura de que o propósito da vida é "Evoluir", ou isso, ou aquilo. No livro de Eclesiastes - um dos mais formidáveis na Bíblia, no meu ver - é um livro com declarações inquestionáveis que por fim deixam bem claro a realidade:

1. A ausência de significado na vida sem Deus; (C. S. Lewis desenvolveu melhor este pensamento, concluindo ainda além, de que a exclusão total de Tao leva ao homem a sua própria abolição. Ver "Aboliçaõ do Homem")

2. O que dá significado a vida? Comer, beber e diverti-se com o fruto do seu trabalho é o melhor que o homem pode fazer. Mas isso não faz sentido, não tem significado, é passageiro, é vaidade.

3. Nossas lutas, sonhos, trabalhos, realizações, relacionamentos e ambições são apenas exercícios de futilidade.

4. Com a morte, tudo perde o significado.

5. É tudo uma questão de tempo. (e a vida dura pouco)

Gostamos de diversão, alegria, risos, banquetes, carnaval, drogas, bebidas, baladas, muito sexo, filmes, teatros, danças, esportes porque essas coisas nos ajudam a escapar da realidade. Salomão de certa forma escarnece o homem que fica a perder tempo nessas futilidades. Pois essas coisas nos desviam, não nos faz pensar, nos anestesia para verdade nua e a crua.A verdade de que vaidade de vaidade tudo é vaidade. E que assim como a erva no campo, nasce, cresce, virá palha e passa, assim é o homem. Um dia você vai ser provado, e verás que não é melhor do que os animais. Um dia você irá morrer e virar pó, seja gordo, seja magro, seja rico, seja pobre, seja PHD, seja um ignorante, seja esportista, seja sedentário, seja de muitos amigos, seja apenas a si, assim como os animais, assim como a barata e a formiga. Você e eu passaremos.

Viver sem Deus, não tem significado, preenchimento algum. Talvez para alguns apenas demore mais para se deparar com essa realidade. E se entorpecer com essas 'distrações' apenas o evitará de tomar consciência disso.

Por outro lado, Salomão exorta a casa de funeral, ir aonde há luto. Por que? Porque simplesmente ali somos obrigados a pensar. Ali somos obrigados a nos deparar com essa realidade, o que de outra forma não faríamos. Nas palavras de Amin Rodor: "Isso não significa ser pessimista ou eliminar a alegria da vida, mas descobrir onde a verdadeira alegria e felicidade são encontradas em base permanente". E então, por fim, nos últimos versos de seu livro, Salomão declara: Temer a Deus e guardar os Seus Mandamentos, eis o dever de todo o homem. Aí está a única coisa que pode preencher, trazer razão, significado a vida do homem. A verdadeira satisfação não é encontrada "debaixo do sol", onde tudo passa; é experimentada apenas nAquele que está acima do sol.


08 janeiro 2014

Campori de Desbravadores da DSA 2014

0 comentários


Está acontecendo, oficialmente iniciou hoje, dia 8 de janeiro de 2014, o Campori da Divisão Sul-Americana (praticamente toda América do Sul), na cidade de Barretos.

Ao todo, são estimados mais de 35mil desbravadores das mais diversas cidades, de todos estados do Brasil, e de vários países da América. É um dos eventos mais aguardados que ocorrem a cada 10 anos se não me engano. Muitos amigos de longa data se encontram lá neste momento, alguns em especial como o Eliezer que será investido em Lider Master, o Davis, a Patrizia, o Renato... - um ótimo Campori para vocês. E espero terem pique para suportar 10 dias de Sol acima dos 34 ºC.

Infelizmente, desta vez não pude ir (para quem foi em mais de 8 Camporis, é dificil ficar fora de um, nem que seja para poder visitar no fim de semana). Sim! Devido a grande quantidade de pessoas, foi limitado o acesso para visitantes. É necessário reservar uma vaga para visitar e pagar uma taxa de 25U$.

Para assistir Ao Vivo a programação que durará nos próximos 10 dias, entre fotos e outros, acesse:
Campori DSA 2014 - Ao Vivo [Link]

Galeria de Fotos do 1º Dia [Link]

Outros Vídeos [Link]


28 dezembro 2013

Tenha um Feliz 2014 com Pensamentos Produtivos

0 comentários
"Diz o preguiçoso: Um leão está no caminho; um leão está nas ruas."
Provérbios 26:13

Pessoas que não passaram por grandes dificuldades na vida, ou muito mimadas, em geral, lidam de maneira muito frustrante com dificuldades, problemas e desconfortos. Outra grande parte das pessoas, exercitaram pouco ou mesmo nada o músculo da razão em lidar com problemas.

Matematicamente, podemos praticamente traduzir todos os problemas num sistema de equações. E todo sistema de equação tem 3 possibilidades:
- Sistema com uma solução possível e exata (precisa, perfeita);
- Sistema com muitas soluções possíveis e exatas (precisas e perfeitas);
- Sistema com solução impossível;

Porém, mesmo um Sistema com Solução Impossível, pode ter uma solução "aproximada".

O que quero dizer com isso? Todos os problemas que existem são contornáveis. A grande questão é encontrar uma solução (perfeita ou aproximada).

Porém, infelizmente, conhecemos muitas pessoas (por diversas vezes, nós mesmos), que tomamos uma postura totalmente negativa e empacada diante de um problema. E nessas situações, costumamos tomar uma postura de "autodefesa" de nos "justificar" - e fazemos isso inconscientemente.

Veja um exemplo:

- Capitão! E agora? Você nos trouxe para o meio de uma armadilha. Estamos cercados! O Exercito Russo está cercando o outro lado do rio. Outro grande exercito está vindo até nós pelo oeste, norte e sul! O Rio Berezina está com correnteza forte, águas congelantes! A temperatura está -20ºC. Estamos congelando. Com fome. Cansados. Doentes. Com pouca munição. A Artilharia não consegue se deslocar em meio a neve. É impossível atravessar o rio.

O que você faria numa situação dessas? Onde todos os fatores estão contra você. Onde tudo indica que você será uma presa fácil. E que provavelmente os inimigos irão te destruir, te matar, ou te levar como prisioneiro de forma torturante?

Essa História é verdadeira e realmente aconteceu na Rússia, em 1812, na Campanha de Napoleão de invadir a Russia, mas que foram pegos pelo forte inverno, e então tiveram uma extraordinária campanha para conseguir voltar a França, ainda vivos (pelo menos alguns milhares, entre os tantos que foram). A travessia do rio Berezina, foi considerada talvez a maior façanha da História militar. E apesar da derrota ao invadir a Rússia. Napoleão foi um extraordinário vitorioso em conseguir se tirar, fugir da Rússia, enquanto esta o perseguia com todas as forças. Napoleão se encontrava na situação mais dificil de todas.

Ele poderia fazer um anuncio de derrota. Reclamar dos fracassos e erros de seus comandantes, tropas. Das ordens não obedecidas. Da falta de planejamento. Da falta de treino. Fazer um discurso de derrota. Colocar a culpa em alguem. Ou ficar dialogando e apenas falando do erro, de como estão numa situação dificil, e de que não tem solução, e que não dá para atravessar o rio e que isso e aquilo. Como costumamos fazer com nossos problemas no dia-dia, perdendo grande tempo, se focando em ficar falando 'sobre o problema'.

Ao invés disso, Napoleão ordenou suas tropas que, em silencio, construíssem 2 pontes, próximas, em total silencio. Sem ascender fogueiras a noite (apenas o minimo necessário). Tomarem todos os cuidados possíveis para que os inimigos não os percebessem. Ao mesmo tempo, envio uma pequena tropa de cavalaria, em direção ao Sul, de modo a enganar o exercito que os aguardava do outro lado do rio, que eles se deslocariam para o Sul, e tentariam atravessar numa outra cidade. (e eles morderam a isca). Enviou uma pequena tropa de cavalaria a atravessar imediatamente o rio, e exterminar o pequeno grupo de soldados que observavam e guardavam o rio. De modo que em menos de 2 dias conseguiram terminar as pontes de forma bem improvisadas. E então, avançaram de forma ordenada, enviando algumas tropas a frente, pois a travessia de toda multidão, levaria muitas horas, e eles precisava proteger a outra margem, a ponte e a travessia.

Ao exercito que mordeu a isca, percebeu que foram enganados, voltaram com furia total, de modo a conter a travessia. Porém, Napoleão fortificou com centenas de canhões, cobrindo as duas margens do rio, do ponto de travessia. E enviou uma forte tropa, com a missão de conter a todo o custo o ataque do exercito que vinha do Sul. Enquanto a outro, de conter o ataque que vinha do Oeste, de modo a dar tempo do maior numero possível de pessoas atravessarem as pontes, antes deles a queimarem.

Os Exércitos de forma heroica e gloriosa conseguiram conter os ataques, não regredindo um passo sequer na linha de defesa. E uma grande parte do Exercito conseguiu atravessar seguradamente a ponte. Porém, já nas últimas horas da travessia, foi um total caos, e dezenas de milhares jaziam ali, numa das cenas mais horrorizantes descritas na História das Guerras.

A travessia do Rio Berezina foi considerado um dos maiores feitos da genialidade estratégica de Napoleão em guerras. O Exército Napoleônico era terrível e implacável! E os próprios russos adquiriram enorme admiração por esse grande feito. Pois a volta para casa, foi a grande vitória do exército derrotado.


Voltando a questão, caro leitor. Percebe que Napoleão tinha um problema X, com diversos parâmetros monstruosos? Esse problema tinha uma solução perfeita? Talvez, quem sabe? Mas aparentemente não, pois parecia impossível. Então Napoleão sem perder tempo (pois não tinha 1 segundo sequer para ficar reclamando da má sorte), se focou em desenvolver e executar uma estratégia para resolver o problema de maneira aproximada. Ou seja, dezenas de milhares morreram. Perdeu muitas tropas. Muitos dos seus melhores homens. Centenas, talvez milhares de artilharia. E por muito pouco quase foram pegos. Porém, conseguiu ainda que com uma perca X, uma enorme vitória.


2014 está chegando, ou já chegou. E certamente, vamos lidar com um monte de situações e problemas em nossas vidas. Se querermos ter um Feliz Ano Novo, Prosperidade, Grandes Conquistas e Vitórias neste próximo ano, devemos seguir está grande característica de todo grande líder e homem. Quando se deparar com um problema. Para de reclamar do problema, ou de ficar dialogando o quão difícil ele é, ficar chorando pelo leite derramado, ao choramingar pela má sorte, ou ficar apontando para os outros que a culpa é deles. Você vai ter um problema em mãos, em nenhuma atitude dessas irá resolvê-lo. Apenas irá agravar conforme mais tempo se perde. Ao invés disso, pense, trabalhe, tende em procurar resolvê-lo, se não há uma solução perfeita, qual então a melhor, mais próxima a se fazer. Que atitudes assertivas a se tomar.

E certamente irá se surpreender com resultados impressionantes. E com grandes conquistas neste ano.
Além disso, perceberá o quão tempo perdeu com demagogias, palavras inúteis, que não levaram a lugar algum.

Wilson era um cara que chegou aos 50 anos de vida com a saúde muito debilitada. Um homem sedentário que bebeu e fumou a vida inteira, se via agora com uma grave complicação na sua saúde, e com o pé necrosado. Os médicos condenavam sua morte que poderia vir em pouco tempo. Porém Wilson, não ficou choramingando sobre seu estado de saúde, seus problemas, seu pé, o caos que provocou nesta saúde em todos seus 50 anos de vida, maus hábitos... Se agarrou ao objetivo de viver, sobreviver, e adiar o mais possível a morte. Foi assertivo. Perguntou ao médico o que poderia ser feito para tentar salvá-lo. O médico disse que teria que amputar até o joelho uma das pernas. Fazer um longo tratamento para a infecção. Teria que parar de beber e fumar. E adotar um novo estilo de vida. Wilson topou a ideia, parecia ser a solução mais 'aproximada', e com melhores chances de sucesso. Amputou a perna. Mas longo encomendou uma prótese. Quase morreu num doloroso tratamento com fortes remédios. Mas meses depois, já havia parado de beber e fumar. Adotou uma alimentação saudável. Mudou para o campo. Passou a ter uma tranquila rotina com muitos trabalhos manuais e atividade física. E para a surpresa de todos. 10 anos depois estava escalando as maiores montanhas do mundo, com um porte físico que nunca teve em sua vida.

Procure falar e pensar menos dos problemas. Eles não merecem nenhuma fama.
Procure falar, pensar e agir mais em como solucioná-los.

19 novembro 2013

Punição de Apedrejar na Bíblia

0 comentários
Por que havia a ordem de 'execução' do modo "apedrejamento" na Bíblia?

Segundo uma amiga que me questionou isso, a incomoda muito essa ideia deste 'tipo de morte', 'jeito de morrer'. No ver dela, há 2 coisas que são totalmente intragáveis:

1.) É doloroso, torturante e demorado;
2.) É feito por várias pessoas.

Na concepção dela, um Deus de amor, não permitiria e não ordenaria tal coisa. Antes, caso fosse necessário mesmo a pena de morte, deveria ser:

1.) Rápido / instantâneo / sem dor se possível;
2.) Executado por 1 só pessoa.

Quanto a questão de um Deus violento que mantar, que é sanguinário, tenho um outro post tratando disso: Um Deus Malvado Que Manda Matar

Primeiro, vou tratar da questão 1 levantada.

1) Processo Torturante de Morrer
É inegável que morrer apedrejado deve ser algo muito torturante. Nosso corpo suporta várias pancadas. Muitas. Dado também que uma pessoa comum não aguenta levantar, tampouco arremessar pedras pesadas, acredito eu que o peso destas dificilmente passam de 1kg. E pelas condições climáticas, e da região, entre outros, creio que não era comum encontrar muitas pedras com agulos agudos, retos; logo, deveria ser mais difícil terem pedras que causasse uma 'boa perfuração' - para poder criar algo fatal de primeira. Logo, a morte deveria ocorrer após uma longa mutilação, acredito eu que principalmente por hemorragia, ou então, por algum traumatismo craniano. Por sorte, alguém levaria uma pedrada na cabeça de modo que rapidamente perderia a consciencia.

É dificil dizer o que seria uma morte 'mais agradavel', quanto a métodos. Certa vez, vi um documentário falando sobre a História disso. E mostra como foi a 'evolução' (que ironia) em provocar a morte. Em que haviam as variáveis: Ser rápido, ser de pouco esforço, causar menos sofrimento. Houveram vários métodos na História, coisas do tipo, asfixiar a pessoa, afogar, jogar de um penhasco, (que talvez seja bem pratico, mas não é todos que tem um penhasco por perto). Apunhalar o coração, cortar o cranio no meio, cortar a cabeça fora, degolar etc. Porém, muitos desses métodos eram 'pouco eficazes'. Muitos não morriam. Muitos ficavam gravemente feridos. Até mesmo a sangria, há muitos relatos históricos, como o de Seneca, que não morrera. As espadas não eram afiadas como nos filmes, fazer um ferimento mortal não era muito constante. E por mais sanguinario que podemos imaginar que eram os carrascos e os incumbidos de matar, era uma tarefa desagradável. E no decorrer da história, muitos modos foram usados, como tecnologias. Uma delas foi a Guilhortina, na Idade Média, que veio posterior ao enforcamento. Porém, até mesmo a guilhortina, ocorria situações de ficar com a lamina cega, ou não ser fatal, criando cenas tensas, em que era necessários vários golpes, fora que as vezes ela emperrava. Muito mais para frente surgiu a Cadeira Elétrica, que veio como uma promessa de uma morte rápida e indolor, e mais recentemente ainda, o uso de drogas injetáveis, câmara de gás entre outros.

Pensando no contexto da epoca, creio eu ser muito dificil dizer quais seriam as 'possibilidades' de modo de se matar. Sobretudo um menos torturante. E assim fico a pensar, em qual posição do rank ser apedrejado seria o pior? Mas certamente, ser degolado deveria ser o melhor modo, segundo minha amiga, para as condições da época. O que também seria um processo violento, bem rude, e bem tenso. Mas certamente, havia algum aspecto especial no apedrejamento, que nos faz pensar: Por que este modo que, provavelmente, é mais doloroso, torturante, do que outros? Apesar, que talvez fosse menos, pois creio eu que em algum momento a pessoa desmaiaria no meio do processo. Mas certamente era algo horrível.

2) Feito por várias pessoas
Pensando no método é meio lógico pensar que deveria ser executado por várias pessoas, até mesmo para ser menos torturante. Poderia ser trabalho demasiado para 1 só pessoa. Talvez ela até mesmo cansasse o braço a ponto de não conseguir mais fazê-lo estando a pessoa ainda viva. E certamente, isto aumentaria ainda mais a agonia.

O Motivo do Método do Apedrejamento / Lapidação

Não sei, não sei mesmo ao certo o motivo pelo qual foi escolhido este método. Mas cabe primeiro lembrar que tal era uma forma de punição, descrita no Torá, para as seguintes violações da Lei:

1. Bestialidade* cometida por homem;
2. Bestialidade cometida por mulher;
3. Blasfêmia;
4. Relações sexuais com uma virgem comprometida;
5. Relações sexuais com enteada;
6. Relações sexuais com mãe;
7. Relações sexuais com madrasta;
8. Ao amaldiçoar os pais;
9. Instigar indivíduos à idolatria;
10. Idolatria;
11. Instigar comunidades à idolatria;
12. Necromancia (espiritismo / consultar os mortos);
13. Sacrificar o próprio filho ao deus Moloch;
14. Homossexualidade;
15. Pitonismo (prática pagã, mulheres que se tornavam como 'sacerdotistas dos oráculos');
16. Rebeldia dos filhos contra os pais;
17. Desrespeitar o shabat;
18. Bruxaria.
(Fonte: Wikepedia, não conferi se consta essa lista mesmo na Bíblia)
* Bestialidade: relações sexuais de homens com animais.

Se formos olhar bem esses motivos, nem mesmo fala de prostituição e adultério, motivo qual tanto é falado. Mas acredito que como a maioria a grande maioria destes termos são atitudes que acreditamos que devem ser de algum modos punidas.

Mas o que me choca mais, e creio que ao leitor também. É que na própria Biblia, vemos uma multidão de ocorrências desses 18 itens, no qual, ninguem era apedrejado! Logo, por que havia punição para uns e não para outros? Será que não houve algum engano nessa história?

Eu particularmente, creio que havia uma 'didática' envolvida na questão do apedrejamento. Os quais venho a expressar:

1. Mostra o quão é repugnante o pecado para Deus e o quão Deus o considerada destrutivo para a Sociedade
Mesmo nos dias de hoje, há 'crimes' que consideramos piores e mais puníveis do que outros. Sobretudo hoje, as principais formas de punição são duas: Dinheiro e Retenção. Ou seja, a pessoa tem que pagar X e/ou cumprir Y anos de retenção numa prisão, ou domicilio, ou exilado. E conforme mais grave se considera, maior são os valores de X e Y.

Na Bíblia, do mesmo modo. Tudo começou com o pecado original. O primeiro de todos. O pecado em si. A separação do homem para com Deus. A punição foi "a morte". De agora em diante passaria a ocorrer a morte. O surgimento da morte, é a demonstração primária máxima de como o pegado é repugnante para Deus. Perceba que a "mentira" não está na lista de apedrejamento, mas questões que agridem a Familia o são como relações sexuais inapropriadas, ofender aos pais , homossexualismo.

Logo, só de uma pessoa pensar em quão terrível seria uma punição para o ato x, pensaria ela o quão aquilo é ofensivo para a Lei, para a Deus, o quão aquilo é errado. E testemunhar uma punição, a convenceria de vez.

2. O Lado Educativo da Punição
Hoje no Brasil não temos a pena de Morte. Mas temos algumas punições para certas coisas que são do tipo prisão praticamente até o fim da vida. Em alguns Estados dos EUA temos ainda a pena de morte para algumas coisas. Entre essas Penas máximas, está por exemplo o homicídio. Matar alguém conscientemente, ou ser um grande traficante de drogas, entre outros.

Como no item I, todas essas coisas são extremamente repugnantes para Deus. E como Paulo diz, "eu não reconheceria o pecado se não fosse a Lei". Ou seja, apenas através da Lei podemos reconhecer um pecado. Ou seja, a partir da norma divina podemos reconhecer o que está contra tal. Porém, vou ainda mais a fundo, que é apenas a partir da Punição, que podemos saber, reconhecer, de um modo mais claro e didático, o quão - para aquela norma, aquela Lei - grave é. Ou seja, suponha que a punição para o adultério fosse dar água para os camelos, e certamente, todos iriam considerar essa questão não de muita importancia. Agora já quando esta é vista como merecedor da morte, e ainda de uma 'penosa' (em todos os sentidos) morte, ai a visão é outra.

Hoje, no Brasil, estão tentando elevar a punição para quem é pego dirigindo com uma concentração de alcool não permitida no sangue. Porque assim querem aumentar a importância a esta questão. E fazer as pessoas pensarem 5, 10, 15 vezes antes de tomar uma latinha de cerveja e pegar no volante. Mas há décadas atrás, não havia a menor punição praticamente.

3. O Lado Simbólico Desta Punição
É incrivel como vemos certas relações na Bíblia que esclarece outras. Nesta questão do apedrejamento, uma grande luz me veio em mente no Livro de Daniel, no Capitulo 2, quando se descreve o sonho profético de Nabucodonosor. No qual, resumidamente, uma Estatua representava todos os reinos do Mundo da Antiguidade até os Fins dos Tempos, até que então "UMA PEDRA" mas que "NÃO FOI LANÇADA POR MÃO ALGUMA" acertou o pé dessa estatua (os últimos reinos) e a derrubou. E esta Pedra instaurou seu Reino para sempre. E, mais a frente, a própria Biblia descreve que a Pedra Angular é Jesus.

Mas não só isso, se formos ver bem, a Pedra é usada como uma figura por diversas vezes na Biblia. O monte no qual era feita a oferta, era composto por 12 pedras. Da 'pedra' Moisés tirou a agua para saciar o povo. Davi, atirou uma pedra em Golias para o derrotar. Samuel colocou uma PEDRA entre Mispa e Sem, para dizer "Até aqui nos ajudou o Senhor". E por assim vai. Se formos ver bem. A Bíblia é repleta de exemplos no qual a Pedra representa um claro poder de Deus no sentido de subjugar/vencer o mau, o pecado.

As pedras que deveriam ser lançadas contra tais merecedores da punição. Deveriam ser arremessadas com este sentido, com este simbolo de aniquilamento de um grande mau.

4. A Distorção Desta Punição
Quando me vem a mente um caso de apedrejamento na Bíblia. Eu não me recordo de mulheres, nem de crianças, nem de adulteros, ou outros. Mas o de Estevão. Não sei, não conheço os registros históricos do quão isso foi ou não comum em Israel. Todavia, no Evangelho, vemos Jesus mostrando claramente, que aqueles homens que pretendiam apedrejar a mulher, estavam com uma visão totalmente distorcida a respeito desta punição e da Lei. Pois eram pessoas, que a rigor, mereciam tão quão ou mais - do que aquela mulher - tal punição segundo a Lei. Eram homens que não estavam limpos do pecado. Eram homens que estavam com 'ódio' (e Jesus disse que aquele que tem pensamentos ruins para com o irmão, já 'matou'). Entre um monte de outras coisas.

5. A Negligencia do Plano do Perdão
Na Bíblia vemos pouco se falar sobre Punição, mas muito sobre o perdão. Para se haver uma punição tal qual, de acordo com a Lei. Deveria haver um longo período de julgamento. Muito mais do que isso. Muito mais do que um julgamento. Um LONGO período, no qual sacerdotes, levitas, mestres da Lei, familiares, e até mesmo o povo era envolvido, num importante e longo processo de simplesmente buscar FAZER DE TUDO para a pessoa ter um único motivo pelo qual não merecia sofrer tal punição; e sobretudo, levar a pessoa a pessoa ao arrependimento, se retratar e etc. E apenas, em ultima circunstancia, quando todas as tentativas foram tomadas, depois de um longo processo, um longo tempo, tudo não adiantou para retirar a obstinação pelo pecado de tal pessoa, aí então, este recurso deveria ser usado (e certamente com muito pesar, pois deveria ser feito com amor: assim, como deveria ser a dor de um pai em matar seu filho, como foi o caso de Abraão.).

A própria Bíblia diz que há apenas um único pecado imperdoável. (o chamado Pecado Contra o Espirito Santo). Que é a obstinação total. É ficar totalmente surdo para ouvir a voz de Deus. Virar 100% escravo do pecado. É negar toda possibilidade de arrependimento e retratação. Pois, a própria Bíblia diz que o Espirito tem a função de convencer as pessoas do pecado. Ou seja, no grosso modo, o único pecado imperdoável é aquele pecado no qual a pessoa não quer arrepender-se por nada!

6. Uma Parte de Todos
Tenho aqui um motivo para uma punição coletiva. Minha amiga não gostou nada da idéia de muitas pessoas jogarem as pedras, ao invés de apenas uma. Mas perceba, que todo o povo, toda a cidade é chamado a uma UNIDADE. Era algo gravíssimo, no qual todos deveriam tomar parte. Todos tinham a responsabilidade. E ao a pessoa tomar parte na punição, ela estaria enfrentando a Lei que diz que "com a medida que julgar, serás julgado". Pensaria a pessoa: Será que fiz tudo por tal pessoa? Procurei ser o melhor exemplo? Procurei fazer de tudo para convencer ela, mostrar para ela o seu erro? Orei por ela? E essa pessoa, tinha que - convencida de sua parte - de tomar parte nesta questão tão dura, que seria a de apedrejar uma pessoa. (imagine se fosse sua filha, ou seu primogênito!!!) E assim, não haveria um carrasco, mas seria todo o povo, ou representantes destes que teriam que fazer. No final das contas, perceba que é uma punição de um povo; é uma obra tremendamente didática.

7. Mostrar o Lado de Deus
Até está punição, creio que houve 2 grandes momentos no qual Deus deu uma lição do que significava o mau. E o que Ele faria pelo homem, e para por fim no mau. E o quão desagradável, duro e pesado seria para Ele punir o pecador. O primeiro exemplo, está em Genesis quando o casal Adão tiveram que sacrificar a ovelha muda e pura. O segundo grande exemplo, foi o de Abraão em sacrificar seu filho. E então, veio este exemplo, de matar uma pessoa a pedradas. O que, para alguem com coração amável, bondoso, misericordioso, piedoso, com amor ao próximo, deveria ser muito duro, triste penoso. (Repito, que tal ação não deveria ser tomada por alguém com raiva, ódio, bravo, bêbado, fora de si, violento... - pessoas para quais isso talvez até soaria um divertimento).

8. Deturpação Espalhou
Se olharmos para o Antigo Testamento, O Novo Testamento, e, mesmo entre muitos muçulmanos hoje. Veremos claramente, sem sombra de duvidas, uma total deturpação quanto a Lei de Deus e suas punições. Quais cometem atos que, creio eu, qualquer pessoa em sã consciência consideraria uma total barbaridade, brutalidade, de pessoas que tiveram seus corações e mentes totalmente obstinadas e fechadas para um condicionamento baseado não no amor ao próximo, mas no ódio e raiva. Pois antes de tudo, tais deveriam orar pelos seus inimigos, amá-los, e fazer de tudo para poder libertá-los do pecado, conduzi-los a Deus, ao arrependimento, a luz da Lei, as consequências dos atos. Fazer o possível para absolvê-los. E com coração duro e contrito tirar a vida como a de um pai ao seu filho, ao invés matar a pessoa como se fosse um misero inseto.

05 novembro 2013

Educação em Casa

0 comentários
Como você acredita/quer/gostaria que se filho(a) fosse educado?

Essa é uma das perguntas mais fortes da História. Todos os grandes pensadores refletiram e palpitaram sobre isso. Mas, mais do que isso, em cada resposta, podemos ver o caráter da pessoa, a ideologia dela, a visão de mundo dela. Por fim, o que para ela é o ser humano. O que para ela é a vida. O que para ela é o ideal de cada um se tornar.

O site da Folha de São Paulo colocou uma matéria da BBC Brasil que claramente tenta persuadir a partir da opinião da docente Silvia Colello, da Faculdade de Educação da USP.


Respeito a opinião dela. Todavia, o 'melhor argumento' é dizer que fora da escola vai privar de experiências que o docente considera mais importante do que as experiencias que tal pode ter em outros lugares. - Eu esperava mais de alguem de tal titulo. E creio que certamente daria um discurso muito melhor do que essas poucas palavras da Folha. - Mas, a essência Do que ela manifesta não é baseado em uma episteme máxima da psicologia da Educação. Ou seja, "Prive seu filho da escola, e ele terá tais e tais problemas. Assim como privá-lo de cálcio, terá ossos fracos." Sócrates, em A República, vemos Platão descrevendo o que seria o ideal máximo da Educação. A Educação seria a robotização do homem pelo Estado (em sua máxima). Seria o FIM DA FAMÍLIA. O Estado tiraria o filho da mãe em seu nascimento (a mãe é vista apenas como uma gestante de bebes). O Estado então o educaria, definiria qual seria sua "carreira", sua função para a cidade. E assim seria, essa pessoa viveria para o Estado, ou melhor dizendo, para a Cidade. E isso, muitos séculos Antes de Cristo.

Este é um dos grandes pontos de vista da Educação, a educação como um meio de Condicionar as pessoas. Alguns autores desenvolveram ao máximo este modo de ideologia, e há literaturas de sobra sobre isto. Na pratica, também tivemos exemplos de monte na História de poderes que condicionaram suas crianças. Como o foi o Regime Nazista na Alemanha. Como foi a Igreja Católica na Idade Média.

Na USP, inclusive na própria Faculdade de Educação encontrei alguns alunos, normalmente os mais ligados aos Movimentos Estudantis, Revolucionários, Pró Maconha, Contra Feliciano, e tantos outros... que também tinham uma ideia interessante, mas que não é nada nova: A luta contra o Direito Privado da Família. Não conheço a vida, a história da garota que certa vez lançou uma máxima em uma sala de aula: "O que o Estado está fazendo para acabar com estes cristãos extremistas que fazem educação em casa?!" Na vida dela, deveria se abolir isso, deveria se abolir o Ensino Religioso, sobretudo o cristão - havia ódio em suas palavras. Além de claramente ver que seus pensamentos não era a favor da Liberdade Religiosa, nem do Estado Laico, mas sim do Estado Ateu; acreditava que o Estado deveria acabar com a Escola Privada e das religiões cristãs. E as Universidades Publicas, como a USP, apenas quem estudou na Escola Publica poderia participar. Na visão dela, o Estado - o poder - deveria controlar a vida de todos, de forma tão próxima como os fundamentos do Stalinismo que com chumbo, campos de concentração e trabalho escravo buscou abolir a religião da URSS.

O professor estancou suas 'revoltosas' palavras de motim contra os Princípios Cristãos (talvez fosse uma niilista). O professor não mencionou nada sobre religião. Apenas falou sobre a Educação de filhos de diplomadas, de embaixadores, filhos de artistas de circo, entre outros, que por não ter uma vida de ponto fixo, que estão em constante mudança e viagem, necessitam de uma educação mais maleável, e, que a maior parte ocorre no estado. Ou então filhos de fazendeiros, e quem vive em lugares remotos que muitas vezes estão à horas de uma vila ou cidade. Além do medo de muitas familias de enviarem seus filhos para escolas violentas em seus bairros.

Por outro lado, nos EUA está crescendo muito a educação familia, sendo o pais em que mais ocorre a educação familiar. E, acredite, se pesquisar irá encontrar vários ótimos resultados. Resultados de desempenho em provas. Resultados do ingresso nessas faculdades, no mercado de trabalho, em grupos, comunidades e etc. A grosso modo, podemos simplesmente justificar de que a Familia ainda acredita ter maior direito pelo seu filho do que o Estado e a sociedade. Cabe ao pai e a mãe um maior direito, e mesmo 'posse'. "É meu filho!" Poderia dizer uma mãe. E tais não estão nada contentes com a Educação que está ocorrendo nas escolas.
Veja:
Ensinar os filhos em casa ganha força no Brasil e gera polêmica (BBC Brasil)
Cresce número de pais que apostam na educação em casa no Brasil (Terra)
Sem motivação religiosa, educação domiciliar cresce nos EUA (Terra)
Educação domiciliar cresce nos EUA (BBC Brasil)

Motivos:
- Violência nas escolas;
- Crianças estupidas, egoístas, briguentas, violentas... (bullying);
- Más influencias;
- Apelo ao sexo, consumo de drogas entre outras praticas, imposta pela 'sociedade escolar';
- Ideologias discordantes da Instituição ou dos professores. Hoje, por exemplo, é uma grande tendencia o Estado querer condicionar o aluno a aceitar o homossexualismo, entre tantas outras coisas como sendo 'normais', que se opor a tais é mero "preconceito"... fora a abolição de muitos principios religiosos. Como instituições que não mais permitem o ensino de Criacionismo na escolas, ao invés disso, adotam o Evolucionismo como ideologia máxima e inquestionável;
- A criança passar muito tempo na escola, e pouco em outras atividades;
- Passar mais tempo com os filhos;
- Ser mais ativo na educação do filho;
- Não confiar a educação da pessoa 'mais importante' da sua vida na mão de terceiros que não os ama como seus pais;
- Os pais acreditam que podem dar uma educação melhor para os filhos, e que isso não signifique apenas "proteção".

Vamos pensar bem. Se hoje, nós adultos, pudéssemos ter total escolha, autonomia para escolher e decidir como gostaríamos de ser educados, certamente não iriamos escolher por passar metade da nossa vida dentro daquelas 4 paredes. Faríamos diferentes. E certamente, se fossemos ricos, poderosos para escolher detalhadamente como educar nossos filhos. Certamente escolheríamos os melhores professores para dar aula particular, como os antigos filósofos. Não o prenderíamos dentro de quatro paredes, com bundas sentadas por horas naquelas cadeiras, mas o faríamos ter uma educação ampla em muitas situações e lugares abertos, até mesmo viagens, ele se movimentaria mais.

Este tipo de Educação se instaurou principalmente no Ocidente, através de pensadores cristãos. Que trouxeram seus princípios religiosos para a Educação. Pois na "Educação Coletiva" digamos assim, o homem é visto como uma ferramenta. Educá-lo significa qualificá-lo de modo a servir, ações desejadas a esta comunidade; é, literalmente, criar uma ferramenta. Na "Educação Individualista", como na cristã, se tem o ideal de libertar o homem de si. De desenvolver no homem um 'poder moral', para a pessoa possuir o pleno autocontrole, dominar a si mesmo, dominar os seus pensamentos, seus desejos, suas emoções, seus hábitos... libertar-se, ser um homem livre, livre de suas concupiscência, não ser um escravo do trabalho; não viver de trabalho, mas trabalhar para viver. Não se subornar ao Estado, a Comunidade em suas más práticas e ações. É uma educação que não busca robotizar, dizer como a pessoa deve pensar, e viver, mas em lhe dar as ferramentas para expandir ao máximo seus pensamentos e como viver. Foi esta Educação Religiosa que permitiu muitas mentes magnificas que desenvolverem o Método Cientifico e as grandes evoluções da Ciência. Suas duas frentes diferentes.

Esses dias, estive numa praça bem badalada na cidade, numa tarde quente de domingo. Ali, uma população de talvez 500, 700 crianças e adolescentes, variando principalmente de 14 - 20 anos, pelo o que se via. E ali se via de tudo, eram predominantemente 'colegas de escola', bebendo, fumando, em suas libertinagens sexuais entre tantas outras coisas. Ali era uma manifestação máxima do que estavam aprendendo na 'cultura escolar'. Hoje podemos ver claramente onde a Educação está conduzindo as pessoas. Está conduzindo para uma sociedade de pessoas "sem peito" (como diria Lewis, que não sabem controlar a barriga por meio do peito), pessoas castradas de poderem viver valores morais, conduzindo para o fim da Familia. Onde as pessoas seriam tão suspeitas uma das outras quanto em 1984 de George Orwell, e tão bobas, infantis, sexualizadas, domadas por seus 'instintos' e sem valores de família, como no Admirável Mundo Novo de Huxley. As coordenadas já foram dadas.

O futuro... há, que tédio. Não há novidade. Mais uma página que se repete na História. Já prevista, muitos séculos antes de nascer.

E a pergunta continua: Quem você quer que seus filhos sejam? Quem você quer ser?

18 outubro 2013

Fugir da Prisão

0 comentários
"Toda paz que vivemos cedo ou tarde cai e nos damos conta do homem que somos." - autor desconhecido.

As vezes, é dificil nos dar conta. Mas quando o damos, percebemos que um Sistema está nos controlando, está sugando nossas vidas, nossas energias. De repente você se olha e se vê um animal domesticado, passando 9, 10, 12 horas do seu dia sentado, olhando para um computador trabalhando para aqueles que de modo algum exigiriam o mesmo de seus pais e filhos. De repente se dá conta que mal consegue viver fora desse cubículo, suas artes, seus pensamentos parecem atrofiar, assim como seu físico, percebe que sua vida pessoal se definha de modo que mal consegue cuidar de si.

E este sacrificio que fazemos de nós, o fazemos por um salário, por uma certa dose de "paz". Ou de "segurança". Mas que Futuro tal está realmente construindo a custa do Presente? Quando realmente nos damos conta, não são dadas escadas com degraus suficientes para pular as muralhas da prisão. Quanto mais tempo, mais nos vemos domesticados dentro destas. Estamos do lado de cá, trabalhando para eles. Consumindo nosso vigor, juventude, inteligencia dentro dessa prisão que a sociedade, o trabalho, a educação nos instaurou.

Quando olhamos bem, percebemos que o único modo de realmente alcançarmos nossa liberdade, está lá fora, fora do muro. Num mundo desconhecido, perigoso e arriscado. Onde não nos é garantido a merenda de cada dia, as roupas lavadas, e a cela para dormir. Mas é apenas ali fora desta prisão que poderemos construir uma vida. Vida de nossos sonhos. Vida de nossos filhos e família. Vida que possa nos prosperar além dos limites destes paredões. Vida em que podemos correr mais do que 100 metros sem dar de com um limite nos imposto.

Que sonho de eu, de libertar, de viver além destas muralhas.
Uma fulga, um plano?
Como sair? - Pergunto.
A alma que com seu grito, ruge o sentimento de se libertar.


Em memorial a Queda do Muro de Berlim (1989).

25 setembro 2013

Dale Carnegie - Como Fazer Amigos & Influenciar Pessoas (Critica)

1 comentários
Após ler uma estupenda indicação de um empreendedor sobre esta obra, segundo tal, mudou a sua vida. Não pude deixar de ler este Best Seller que está entre os mais vendidos de todos os tempos.

O livro se trata de um tipo diferente de auto-ajuda, diferente do comum. Como ele se auto-classifica, como o de desenvolvimento pessoal. Que ao invés de dizer aqueles blablablas de de autoajuda, ele é mais focado em formas de atitudes para com as pessoas, para com os próximos, para que eles criem uma simpatia positiva com você e dessa forma, não só desejem sua presença, como ficam mais suscetíveis as suas sugestões.

Resumindo o livro ele diz que o grande segredo do negócio é "seja uma pessoa agradável".
Essa é chave: "Aprenda os princípios básicos para se tornar agradável as pessoas, pratique-os e as pessoas automaticamente irão gostar de você e aceitarão suas sugestões."

É assim que o autor com todo sofismo do mundo, sem questionar, sem analisar, sem ir a fundo, sem mencionar sequer um contra-exemplo, tenta convencer, vender o peixe da sua ideia. Em alguns momentos, no capitulo que fala para "elogiarmos", para "agradar o ego" das pessoas, diz que a grande maioria, como que 99% das pessoas, não são lógicas, não querem ouvir ou saber de argumentos e pensamentos lógicos, apenas estão pensando no orgulho delas. E claro, isso carece muito de dados.

O método de "convencimento" do autor se baseia em ajuntar a sua argumentação, vários pequenos fragmentos de supostos testemunhos autênticos de pessoas que descrevem um 'sucesso' em sua tentativa de sugerir usando um desses princípios. Que é o mesmo método de argumento da propaganda como no regime Nazista, na qual o Governo buscava convencer as pessoas, com 'curtas' colocações, dados, sempre otimistas, com sucesso; sendo a maioria, sem que o receptor tivesse condições ou insumo para averiguar sua veracidade. E assim, através desses 'fragmentos', convencer do 'todo'.

O Livro, apesar desses sofismos, trás algumas idéias muito interessantes, sobretudo sobre conduta, boas maneiras, modos. Além de muitos ensinamentos, serem apenas a aplicação de alguns principios biblicos (o próprio livro o diz que é). Todavia, o livro sempre traz estas coisas como se fossem ferramentas para alcançarmos interesses pessoais. O Livro não está falando sobre serviço e amor abnegado, desinteressado, está falando de uma transação, de um negócio, para pessoas que usam uma carência afetiva como moeda de troca.

Venho alertar alguns leitores, que sei que existem. Que são muito influenciados por este tipo de leitura. Precisam tomar cuidado com estes autores que dizem ter a ultima palavra ou 'a formula do sucesso'. Todos sabemos, pela nossa própria experiencia de vida, que os 'bonzinhos', 'os agradáveis', são os que mais tomam na cabeça, mais são vitimas. A História mostra isso. O próprio Jesus (que o autor menciona) também é um exemplo, ele foi o exemplo máximo de alguém que realmente seguia os princípios de se importar com os outros, fazer avivar uma chama no fundo do coração deles, mas o que aconteceu com Ele? Ele foi rejeitado, parecia que tudo foi por água abaixo, o mataram.

As empresas e as pessoas hoje estão mais experientes, ficando mais espertas, estão se baseando mais em 'lógica' do que em 'relação'. Estou disposto a arriscar que 90% das transações comerciais, financeiras, dos valores, são geridos e negociados por meios lógicos. As super especulações financeiras do passado, estão sendo substituídas por 'robos' pré-programados logicamente. Hoje se usa Teorias de Decisão, modelos matemáticos, estatísticos entre outros. No campo das empresas e contratações, temos os serviços de RH, as dinâmicas de grupo, entrevistas. Há uma selva lá fora. A vida não é um mar de rosas tão facilmente solucionável como o livro quer nos convencer.

Salomão mesmo disse, tem um provérbio que não é prudente ser "muito bonzinho". E assim é a vida. Há situações que precisamos ser energéticos. Há muitos situações, que sim, temos que apelar para a lógica das pessoas, para a razão. Bons modos, boas atitudes, ser agradável, isso deveria ser básico em nossas relações. Mas é bom lembrar, que suas atitudes, ações, vão falar muito mais alto do que todas as palavras e 'atitudes agradáveis'. Não adianta muito querer mostrar simpatia e afeto pela pessoa, se na hora H, quando ela estiver no Hospital você nem se der ao trabalho de ir visitá-lo. Do mesmo modo, se depois a pessoa descobrir que você o enrolou a fazer um negócio no qual você teve 500% de lucro sobre ele.

É certo, e todos sabemos disso, as vezes, nos surpreendemos quando bons modos, a força da amizade, laços, simpatia entre outros se resultam nessas nessas coisas. Ficamos surpreendidos justamente porque sabemos ser raros isso acontecer - não esperávamos. Conflitos de interesses são tão difíceis hoje quanto no passado. Muitas vezes a diplomacia não é possível. O livro apenas fala positivamente, dos casos que funcionaram, mas não fala dos que não deram certos (provavelmente a maioria).

Aprendi e estou aprendendo muito nessa leitura. Mas tenho claro em minha mente, que esses 'métodos' que o livro diz ser infalível para fazer amigos e influenciar as pessoas, vão funcionar um caso ou outro. Há sempre muitas situações e variáveis em jogo, que não vai ser um livro de poucas palavras como este que vai resolver todos. E que, além disso, algumas sugestões do livro também fere com alguns dos meus princípios. Entre o mais sutil de todos, está a implícita sugestão do livro de que o homem é um animal, um objeto a ser conquistado; qual podemos por a colheiras neles, apenas nos comportando como cachorros abanando o rabo. Que devemos colocar os nossos interesses. Não tenho dúvidas, que há muitas pessoas de índole mais carismáticas e extrovertidas que possuem muitos contatos, 'amigos', e conseguem muitos favores por isso; mas quão é comum ver essas pessoas carentes de verdadeiros amigos, que os suportam mesmo em suas chatices. Um mundo de bonecos bobos, sorridentes, que se abraçam a todos, sorrindo, um bajulando o orgulho e interesse dos outros, é um mundo bobo e sem peito e que, na hora H, do cada um por si, está sujeito ao caos.

Por fim, diz a Biblia que pela falta de piedade o amor de muitos esfriaria. E estou certo de que as pessoas estão cada vez mais carentes de amor e piedade. Devemos nos achegar a elas, com toda a simpatia. Mas, diferente do que o livro tenta nos convencer, fazer isso por genuinidade, sem interesse, egoismo; e de que isso não é fórmula mágica, não vai funcionar sempre, e provavelmente, na maioria das vezes irá sofrer por isso. Diz um sábio texto antigo que:

"Uma pessoa se mede pela forma como ela trata aquele que não pode/tem nada a lhe oferecer."

11 setembro 2013

O que é a vida?

0 comentários
Vitor Ripper, meu grande amigo fazendeiro e músico de Guararema, não poderia deixar de me impressionar com uma pergunta de tamanho cunho. O que é a vida? Sim, o que ela é?

Antes de mais nada, acredito que essa pergunta deveria ser feita para muitos outros. Há certamente pessoas muito mais capazes do que eu, como muitas das grandes mentes da História que já dialogaram sobre isso. Mas prometo fazer o meu melhor.

Acredito que Vitor não perguntava quanto ao aspecto que nos dias de hoje denominamos de 'biológico', ou seja, poderíamos comparar a uma máquina como um computador tal qual ajunta-se corretamente todo o hardware mais energia elétrica e então ele começa a operar seus processos programados a executar. Creio que a pergunta é muito mais complexa do que isso, do tipo em identificar o que seria o mais simples ser neste mundo que possui características do que podemos chamar de 'um ser vivente'.

É difícil primeiramente definirmos o que é a vida, é mais fácil dizer o que acontece na vida. Aqui está você respirando, olhando para essa tela, lendo estas palavras, entre outras coisas que fez hoje, que fará amanhã, que fez anos atrás. Mas em meio a tudo isso, nos deparamos com um silêncio, um vácuo, um buraco em nossa mente que nos comove até mesmo com uma sombria solidão e pensamento de que somos nada.

Por que existimos? Por que estamos aqui? O que fazer da vida? Qual o nosso papel? Para onde vamos? E é extremamente comum nos isolarmos em pensamentos sem sentido, sem direção, quando mais nos libertamos de ideologias e pensamentos que não são passados (tradições). Quando isso acontece somos tentados apenas a satisfazer nossa consciência ocupando-a. Definimos um 'conjunto de coisas que nos agradam que são valiosas' e buscamos saborear tais durante a vida e nos envolver com nosso trabalho e atividades do dia-dia.

Não Tenho Resposta, Mas uma coisa é certa: A Vida Não Nos Pertence
"Não cuide da minha vida." Como é comum ouvir essa estupida frase. E quantas vezes não assaltamos um direito, um tributo, um poder que não é nosso, não nos pertence. A vida na verdade nunca nos pertenceu. E antes que me ache um louco ou pare de ler estas palavras. Me responda: Você tem roupas? Sim, lógico! Mas como você sabe que tem roupas? Sim, porque está vestido com ela, pode tirá-la, colocá-la, vendê-la, acabar com ela quando quiser. Tem pensamentos? Sim, lógico! "Eu penso, logo existo." disse alguém. Mas você é capaz de produzir seu pensamento, dar seu pensamento para outro. Aliás, as vezes temos até dificuldade de remover pensamentos indesejados. Mas e a vida?

Você tem a sua vida? E quando pensamentos nisso, não precisa pensar muito para deduzir que apenas temos uma coisa na verdade: "A capacidade de acabar com ela." Você tem a capacidade de tirá-la. Todos temos isso, de certo modo, somos ótimos nisso, em nos destruir a vida, seja com pensamentos, hábitos, ou até mesmo atitudes mais efetivas para acabar com ela rapidamente. Vimos muitas pessoas já tirarem a vida. Conhecemos muitas que já a perderam. Mas quantos conhecemos que a conquistaram? Que a deram?

Não escolhemos viver. Não temos a escolha de dar a vida. Não decidimos viver. Nunca decidimos. Nem sequer fomos consultados. Nunca houve um dia em que olhamos para os nossos corpos inanimados e sem vida e então dizemos: Pronto, chegou a hora de viver.

Filósofos antigos diriam ainda mais. Alguns gregos diria que o que nós chamamos de vida é um múltiplo de vidas. Nossos dedos possuem vidas. Cada célula do nosso corpo é um ser, uma vida. Hoje podemos indagar ainda mais a fundo, até que ponto somos o eu? E se perdermos nossos braços e trocá-los por robóticos?  E se o mesmo fizermos com as pernas. E se, com os avanços da medicina sintética, pudermos trocar nossos órgãos, coração, cabeça, até mesmo, transferir nossa mente para um hardware. Apesar, que computacionalmente, transmitir toda a imensa quantidade de dados que ocorre na nossa mente a cada segundo, para algo do tamanho de nosso punho, ainda é algo inconcebível. Até que ponto deixaremos de ser nós mesmos, ou será ainda a 'nossa vida'? Cientistas até mesmo chegaram a calcular a quantidade estimada de informações que há em todo o nosso organismo, DNA e tudo mais; para processá-la, nas velocidades mais extraordinárias computacionais que há hoje, levaria um tempo simplesmente maior que o tempo de existência do Universo segundo a Teoria Geral da Formação do Universo, então este dia em que poderemos transportar toda a nossa vida (como dados e informações) ainda está totalmente indeterminado.

Por outro lado, temos mais facilidade em definir quando a vida acaba. Tanto em termos de consciência como a morte cerebral, ou a celular como a necrose. Apesar que há muitas religiões espiritas que acreditam num estado de vida após a morte.

O Livro mais extraordinário de todos os tempos não deixa de falar sobre isso. Na verdade, é em grande parte a suma disso. Logo no inicio, nos primeiros capitulos de Genesis vemos a declaração que somos uma "alma vivente". A vida é uma ação! É um verbo! Daí temos a definição de Animal = Matéria Animada. Mas mais do que isso, é uma "alma" é um ser com uma certa individualidade, autonomia de pensamento e consciência; algo não deixado claro ser a mesma condição dos demais animais. Mas deixa claramente a fórmula:

CORPO + FOLEGO DE VIDA = ALMA VIVENTE

Dependendo da linguagem irá mudar as palavras, mas convergem para este significado. Você só é um ser vivente a partir destas duas coisas. A ausência de uma delas e você é simplesmente nada. Mais ainda. O Livro diz que a vida não nos pertence, mas é dada. Esse "Folego de Vida" que não é o oxigenio, não é o sangue, não é um RCP bem feito ou um desfibrilador, não é eletricidade é um mistério. Se fizermos o Frankstein de hoje, ajuntarmos todos os órgãos, tecidos, perfeitamente, e o cerebro (podemos até deixar umas horas ou dia após sua morte para garantir que morreu), e lhe dermos qualquer estimulo; ele certamente não passará a viver.

Salomão, segundo a Bíblia, o homem mais sábio -  Homem qual que assim como a Sansão foi dado a força, a Salomão foi dada a sabedoria - foi tomado por uma curiosidade de lhe tirar o sono: Compreender e responder essa pergunta que o Vitor me fez, "O que é a vida?" E faço dele as minhas palavras.

A História integra - tão magnifica que merece nossa imediata leitura - se encontra no Livro de Eclesiastes. Salomão procurou entender a vida, entender todas as coisas que existem "Embaixo do Sol", tudo que acontece. E descobriu, chegou a conclusão, talvez trágica (pois temos uma tendencia Romantica de queremos conclusões arrebatadoras) mas tão simples e talvez amarga que poucos podem dirigir:

"Nada faz sentido."
"Vaidade de vaidade, tudo é vaidade."

O termo vaidade está para muito além dos nossos desejos de ter uma boa aparência hoje. O termo vaidade está no sentido de "passageiro". Tudo passa. Simples assim. A vida é algo passageiro que em si não tem significado algum. É um vazio. É a folha da arvore que nasce e que ora empalidece, desprende e cai. Do pó da terra viemos, para pó da terra voltaremos. Nú viemos a este mundo, nú iremos dele. Justos e impios têm o mesmo fim, todos vão para o pó da terra. Homens e animais, são a mesma coisa, ambos irão passar, ambos voltarão para o pó. Tudo o que construímos, fizemos, com o tempo irá passar. mesmo que construímos uma piramide de diamante revestido de titânio puro. Cedo ou tarde, nosso Sol irá se consumir, algum buraco negro ou choque entre galáxias acabará com este planeta, e assim, com a piramide.

Nesse sentido, Salomão também conclui que como é tolo o homem que se esgota de trabalhar. Trabalha e trabalha. E não sabe que todo o seu trabalho jazirá no pó da terra assim como ele. Tudo o que ele fez passará. Com o tempo será esquecido. Ele será esquecido. Ele deixará de ter os benefícios deste. Não importe quanto trabalhe, sempre haverá mais trabalho a ser feito. E ao mesmo tempo, se esgotará a vida em algo que também é vaidade, é passageiro. Podemos nos matar de trabalhar e amanhã sermos consumidos por uma doença, por uma tragédia, por uma guerra, uma crise financeira. Mas o mesmo Salomão também diz que seja o que for que vier em nossas mãos, façamos da melhor maneira possível, com toda a energia, alegria, destreza, vontade; trabalhemos da melhor forma possível; pois logo iremos morrer, e na morte não haverá trabalho, nem coisa alguma. É como se a sua mesa estiver sendo servido o ultimo pedaço de pão, pois amanhã você irá para o deserto, e ali não haverá mais nada a se comer, até você sucumbir pela fome. Por isso, viva, trabalhe, faça tudo o que tiver que ser feito e vier as suas mãos para se fazer como um último pedaço de pão antes do deserto.

Todavia, mesmo assim, isso não faz sentido. - Conclui ele.

Ah sim!, trabalhar, ganhar dinheiro, nos divertir, comer, beber, desfrutar da nossa mulher, nossa família, amigos. Salomão diz que isso é o melhor a se fazer nesta vida Não há nada mais prazeroso do que desfrutar do fruto/ganho do seu trabalho. Que isso é um presente de Deus. Podemos no divertir, alegrar, ter uma vida agradável e saborosa; sermos felizes. E que isso devemos fazer também. Mas conclui que isso também não faz sentido. É vaidade. É passageiro.

Salomão procurou ler e procurar conhecer todo conhecimento que os anteriores produziram. Mas chegou a conclusão que isso também é vaidade. Sempre existirá uma quantidade maior de livros do que se pode ler. Não importa quanto você estude e lê, sempre haverá mais coisas que você ainda não tomou conhecimento. Querer saber de tudo, isso também é loucura. E é vaidade.

Concluiu ele que uma das lições mais claras sobre Educação nesta História: "Se você não continua aprendendo, esquece até mesmo o que já sabe." (Livro de Provérbios). Não importa o quão você já aprendeu, estudou algo, ou foi hábito naquilo. Se parar de estudar sobre, praticar, exercitar este músculo, com o tempo irá definhar. Não há como contermos tudo o que estudamos; com o tempo, temos que tomar a dura escolha de decidirmos quais pensamentos e habilidades iremos preservar e dar mais atenção do que outras. No ginásio, eu era um aluno nota 10 em Biologia, sabia o nome de qualquer coisa, hoje mal consigo lembrar o que o Complexo de Golgi ou o Tecido Endoplasmático Liso e Rugoso fazem, e acredite, eu tirei 10 nessa prova, e soube por muitos anos na ponta da língua a resposta.

Mas por fim, Salomão chega a prestigiosa e terrível conclusão de que o dever, a ação do ser vivente, ou seja, a vida, consiste em obedecer a Lei de Deus. O que é algo terrivelmente forte. Simples pelas palavras, mas tremendamente complexo que envolve toda a nossa vida, simples tudo, quando estudamos e compreendemos o que isso significa.

A Ideologia Cristã

Outros homens, em séculos e milênios diferentes, na Bíblia abordam este assunto. E dizem que Deus é a vida. A vida pertence a Deus. Ele é o autor. Ele é quem dá. Ele é quem conserva. A Ele que pertence. - está é a visão cristã. Ele nos formou no ventre de nossa mãe. Ele que nos tornou alma vivente. E com o propósito original de fazermos atos de vida. Nos fez com o propósito de viver. Ou seja, ações vivificantes, promovedores de vida. E isso só fazia sentido quando o homem buscava seguir e amar a Vida. Ou seja, para o homem o que importa é viver, e isso é de supremo valor. E isso significa dar valor aos mais inacreditáveis detalhes que promovem saúde em nosso ser. Salomão disse, que aquele que for sábio, que seguir a vontade de Deus, terá longanimidade e longos serão seus dias na face da Terra. Disse Salomão que Deus colocou no homem o desejo da vida eterna. Sim nós queremos viver! Como outro pensador passado já disse: "O único deus que existe é a morte. E a ele dizemos: Hoje não."

Dar valor a vida é dar um tremendo valor de produzir respeito, equilibrio, bem-estar, interesse, para com todas as demais coisas que há neste mundo, seja o Natural, seja o Humano, seja os Pensamentos, seja as Vontades, seja os Desejos. É o desejo ardente por viver uma fórmula perfeita de como se viver de modo completo, feliz, seguro, saudável, prazeroso, em paz em todos os aspectos da vida, sociedade, ecossistemas, planeta. Para Deus, fomos criados para viver em PLENITUDE.

Sabemos nós que isso 'não existe'. Nascemos e vivemos num mundo oposto disso. Nunca vimos esta plenitude. Nos Livros do passado encontramos uma 'explicação'. A explicação de que o homem se rebelou contra esta fórmula/fonte perfeita da vida. Se rebelou em obedecer a Deus. Em outras palavras, rebelamos contra o próprio viver; pensando: Podemos ser como Deus e tomar a 'força' (se opor ao impeto que Deus diz que devemos seguir) o direito, a capacidade, de ser doador da vida, ser dono de si mesmo, ser dono da nossa vida, podermos dar vida, termos vida eterna por nós mesmos, escolhermos viver mesmo depois de sucumbimos no pó da terra. Invertamos uma outra coisa chamada de vida ainda melhor do que está que Deus oferece e fez. Ou seja, simplesmente o computador arrancou o cabo de energia tentando viver por si mesmo.E num efeito dominó, vagaroso, todo esse computador está se desligando definitivamente. Permitiu Deus fazermos isso, por respeitar nossa escolha, nos dar livre-arbitrio, ao invés de fazer de nós robos e condicionados exatamente a viver assim como fomos programados, sem escolha, autonomia.

Todavia, mais do que isso, os Livros dizem que o próprio autor da Vida fez um plano, e está executando para dar vida novamente a todos. Mas não indistintamente. Respeitando o livre-arbítrio, apenas dando a quem a quer. A quem escolher ter. A quem deseja ligar novamente o fio na tomada. Porém, com o tempo desligado, o corpo entrou num processo de necrose, de uma longa deformação, degeneração, degradação; sobretudo o meio em que vivemos, um planeta condenado a destruição. E diz este Livro, que Ele o mundo será totalmente tombado, desfeito pelo calor, pelo fogo, e, a seguir, será restaurado, perfeitamente refeito num sistema novamente perfeito que permite a vida plena, infinita e eterna. E todos aqueles que decidiram religar-se a Vida (a palavra 'religião' significa literalmente "religar-se com Deus"). Deus lhes dará novamente a vida, com um organismo, estrutura perfeita, num sistema perfeito, que englobará todos os aspectos da vida; para sempre. E que este processo começa e pode começar hoje, adequando o nosso caráter, nosso pensamento a esta norma que Salomão disse ser o dever.

A Ideologia Espirita

Por outro lado, há alternativas  diferentes. As ideologias Espitiras acreditam o oposto. Acreditam que a vida é nossa por definição. Seria algo próximo ao karma. Vivemos, de certo modo, eterno, ou dificil de se traçar quando fomos que passamos a existir. E com o tempo vamos nos desenvolvendo. Tendo o corpo como um acessório passageiro entre as fases transitórias da vida. Ou seja, quando morrermos, nós mesmo, essecialmente, nossa 'alma ou espirito' (não sei como distinguem isso) vão para outro lugar, para níveis superiores, ou sofrer punições, se encarnar em outros seres e assim indo, indefinidamente, até um dia ser como Deus, e mesmo assim, nunca chegar na plenitude, mas sempre tendo algo a melhorar. Ou seja, uma concepção na qual Deus não é a plenitude (o infinito, matematicamente), mas apenas algo num nível muito grande. Se opondo ao pensamento de Salomão, não diz que a vida é vaidade, que é tudo passageiro, sem sentido, que começou no pó da terra e para ela voltará. [mas aqui não quero fazer nenhum tratado, estudo sobre espiritismo]

A Ideologia Atéia

Para outros, a vida é simplesmente como Salomão disse: Sem sentido, sem significado, sem propósito. Um acidente de algo para qual criamos palavras explicativas em si, mas que nada explicam, como a palavra "casualidade". Essa entre outras palavras, que não passam da mesma especie da falácia "Porque Deus disse", mas com outra cor: "Porque Deus não disse". Afirmações tão metafisicas e carentes de fé quanto as demais. Que fazem as mesmas conclusões de Salomão, exceto uma. Enquanto Salomão diz que a sabedoria leva alguém a se perguntar, tentar compreender, pensar sobre isso, mesmo afirmando ele ser isso doido e poder tirar todo o sabor de se viver debaixo do Sol, fazendo com que não exista mais novidade alguma, fazendo com que tudo perca o sabor e a fantasia mistica; mas com peito e coragem para ir até as últimas consequências deste pensamento. Os "casuais" simplesmente concluem "é chato ficarmos pensando sobre isso e não queremos aborrecer nossa vida envolvendo com pensamentos que possa a nos levar em 'deveres', vamos simplesmente parar de pensar nisso e viver com com o fio da tomada desligado, felizes com isso enquanto a bateria durar." - Ou como diria, C. S. Lewis: Homens sem peito!

Por fim

As vezes, somos orgulhosos o suficiente para dizer que 'sabemos', 'temos a palavra final'. Mas como diria alguém no passado: "Ser ou não ser, eis a questão!" Uma verdadeira indagação e questionamento sobre a vida, nos leva apenas a duas possibilidades quando encaradas seriamente, dispostos a cavarmos até as ultimas consequências como Salomão fez. No meu ver, a melhor declaração que descreve essa atitude é uma célebre frase, pouco conhecida, já dita por um grande pensador que também já passou, está no pó da terra: "Viver ou suicidar-se, eis a única questão verdadeiramente importante." E, se eu nem você nos suicidamos, e ainda vivemos, é porque ainda estamos submersos em uma grande porção de ideologias, fé, crenças, valores, deveres, e, metafisicamente, acreditamos que a vida merece ser vivida; por mais que seja incompreensível ou passageira, não a abandonamos. Segundo o Livro, quer dizer que ainda há esperança para nós de religarmos o fio na tomada. - Melhor parar de pensar nisso, e voltar a estudar Análise Real e Teoria dos Conjuntos, pois semana que vem, alguém irá me avaliar uma nota para aquilo que 'sei'. (Essa vida é realmente sem sentido)


Que péssimo este texto e palavras. Onde está Aristóteles e Salomão uma hora dessas para me ajudar? Ah sim, no pó da terra. Eles já se foram. ://

Por fim, faço apenas uma ecentrica colocação que creio que poucos podem compreender. No meu entender, a melhor apologia sobre o que é a vida foi expressa no todo da música da Sinfonia dos Mil, a 8ª Sinfonia de Gustav Mahler. Tendo a sua conclusão máxima, no seu ápice, no grande finale, nos seus últimos 6 minutos. Se quiser ouvi-la, acesse este link no youtube: https://www.youtube.com/watch?v=uYM54vhLYTU

..........

E você, como responde está pergunta do Vitor Ripper: O que é a vida?

Desculpe Vitão, mas no momento, foi o melhor que pude conseguir. Se puder, me ajude a cavar além destas praias.

Texto em homenagem a Vitor Ripper.


21 agosto 2013

Caverna do Dragão - Episódio Final

0 comentários
Para todos aqueles que passaram dias e mais dias, anos e mais anos assistindo Caverna do Dragão e ficava inconformado de nunca ter tido um final (apesar de muitas histórias que foram já contadas de como seria o final). Finalmente capricharam num final, fizeram um final bem no estilo que era o desenho em formato de Quadrinhos.

O Brasileiro Reinaldo Rocha pegou a história verdadeira do último capitulo (qual não foi produzida) feita pelo roteirista Michael Reaves. O resultado, o final, o último capitulo verdadeiro de A Caverna do Dragão, você pode conferir no site do Complexo Geek. Basta clicar no link abaixo para vê-lo.

O verdadeiro final de A Caverna do Dragão em quadrinhos (Complexo Geek)

08 agosto 2013

Boa Forma - A Verdade Por Trás das Transformações de Gordos em Fisioculturistas

0 comentários
Hoje me deparei com a seguinte publicação no site Hypeness: A verdade por trás das fotos de transformação no estilo "antes e depois".

A industria sempre fazem propagandas totalmente abusivas e longe da realidade. Me recordo de muitas propagandas que antigamente tinha de produtos para abdominais que passavam nos comerciais da POLISHOP, como o ABShaper entre outros, eram tantas promessas. Mas o mais curioso eram os comerciais. Mostravam sempre pessoas em ótima forma estética, pessoas que ou eram atletas, ou professores de academia, ou se exercitavam há muito e muito tempo e tinham acabado de malhar (para estarem tão tonificados). O que em si já é uma propaganda enganosa, pois não importa o quão tonificado e exercitado seus músculos sejam, se você ficar 3 ou 4 dias totalmente relaxado, eles vão relaxar tudo e será inevitável a impressão de estarem moles e caídos. Mas a propaganda dá a ideia implícita que você estará sempre daquele jeito, não importa há quantas horas fez o exercício.

Todavia, o mais abusivo eram as fotos do "Antes" e "Depois", a grande maioria de tais, poderia simplesmente se reparar com a primeira foto a pessoa com a postura bem relaxada e folgada. Já na foto do "Depois" ela estava com o tronco bem ereto, os ombros para trás e firmes, os braços contraídos e tonificados e sobretudo, a barriga puxada para dentro, forçando o abdômen para dentro e levantando o peito. O que por si, instantaneamente pode fazer uma diferença incrível na aparência. Faça um teste, tire uma foto na frente do espelho todo caidão relaxado na hora que você acorda. E depois de algumas horas tira uma foto caprichando na postura, contraindo toda a musculatura do seu corpo, puxando o abdômen para frente e elevando o peito e tire. E veja por si mesmo.

A industria tenta nos enganar com produtos milagrosos. Achando que tomando-os vamos ficar 'assim'. E não é assim. O Maior problema de todos ao meu ver, além de trazer tóxicos (aminoácidos sintéticos e corantes) e desequilíbrio para a saúde, é o foco na aparência e estética. Pois sendo assim, o principio motivador para a pessoa se exercitar é a "aparência" e sendo assim, quando ela se exercitar, fazer dieta e etc, e chegar num ponto que para ela "está bom a aparência" vai relaxar, vai parar de fazer exercícios, voltar a comer tudo o que quer, quanto quer. E assim, logo vai engordar e ficar com o corpo aparentemente flácido em pouco tempo, e depois novamente uma nova rotina. Algumas dessas pessoas apenas quando está próximo de um feriado vão para as academias e investem suor em exercícios anaeróbicos, como musculação que contraem e tonificam a musculatura rapidamente no curto prazo. E assim é criado uma visão não-saudável sobre estilo de vida e atividade física e cuidado do corpo e da saúde, que no longo prazo talvez traga mais males do que benefícios.

O mais importante não é ter o corpo de capa de revista, o qual ninguém tem, pois tal é revestido por maquiagem e ainda tratado com efeitos especiais cinematográficos do Photoshop, CorelDraw etc. O importante caro leitor, é focar primeiramente em fazer os exercícios como parte da sua rotina, assim como é o beber água, o dormir, para se ter um equilíbrio físico e mental, mais disposição e energia, um melhor funcionamento de todo organismo, e entrar em boa forma. E isso vai muito além da aparência estética, pois muitas pessoas estão em excelente boa forma mas podem ter uma aparência muito magra e outras até mesmo flascidas com barriga. O importante é que fazendo essa rotina de exercícios, naturalmente com o tempo você vai entrando em boa forma. E a "boa forma" não deve ser medida pela balança e MUITO MENOS pelo espelho, mas pela sua disposição e bem-estar fisico-mental-emocional.

Por isso, ao invés de gastar fortunas com suplementos, drogas, energéticos, e tantas coisas que prometem milagres. Invista no que é certo. Adere ao hábito de se alimentar corretamente, não precisa se sacrificar em super dietas; basta comer menos, mastigar mais, menos gorduras e mais coisas integrais e saudáveis, beber muita água; respirar ar puro, andar no sol, abrir as janelas, folgar as roupas, dormir bastante, parar de ingerir substancias que agridem sua saude, fazer exercicios diariamente nem que seja 30 minutos. E os resultados virão com o tempo. Faça exercicios aeróbicos (caminhadas, corrida, bicicleta, patins, natação...) pois o impacto irá calcificar seus ossos fortalecendo-os, evitando uma futura osteoporose, além disso, irá hiperventilar seu corpo, seu cérebro, aumentar sua capacidade cardio-respiratória, aumentar seu folego, fortalecer seu coração, desobstruir veias, artérias, fortalecer as paredes de suas veias, melhorar sua mobilidade, equilíbrio, resistência físico, melhor qualidade de sono, equilíbrio hormonal entre outros. E faça também exercícios de força que trabalhem o fortalecimento, desenvolvimento dos músculos o que evitará que atrofiem, fiquem fracos e sem sustentação para uma boa postura. E não esqueça dos alongamentos, force suas articulações e músculos, isso lhe dará maior flexibilidade, mobilidade, resistência muscular, evitará e aliviará tensões musculares entre tantos outros.

A Industria querem ganhar dinheiro com a sua saúde, mas você pode muito bem tê-la apenas caminhando pelo seu bairro.

Fauja Singh (101 anos)
Se você acha que é muito velho e está tarde demais para começar, veja a história de Fauja Singh, o "Tornado de Turbantes", ele começou a correr aos 89 anos após a morte de sua mulher e filha, e com 101 anos estava ainda completando maratonas, até que decidiu se aposentar, e agora apenas faz um treino de 16 km de corrida por dia.

Assista o vídeo abaixo.