29 janeiro 2012

1984 - Primeiras Impressões

0 comentários
Li em torno de 1/2 da clássica obra ‘1984’ de George Orwell. A grosso modo o livro é uma obra que abrange principalmente a politica, filosofia e socialismo, de forma densamente critico; qual envolve um romance também muito provocante. O livro escrito em torno de 1930, acho que antes da II Guerra Mundial, é uma critica ao Nazismo, U.R.S.S., ao Comunismo, ao Fascismo, ao Estadismo; faz uma ficção de como seria o mundo em 1984 (50 anos depois), em que o mundo era divido em apenas 3 países totalitários, estadistas ao extremo. Um controle que resulta na abolição do individuo.. E então, temos novamente a mesma ideia abordada pelo livro “Admirável Mundo Novo”: Controle. Uma sociedade totalmente manipulada em função dos interesses do Estado (o topo da hierarquia). A diferença, que no ‘Mundo Novo’, o Estado de certa forma, é mais um tipo de Máquina Economica, ou a Industria, um super interesse do Capitalismo vamos assim dizer, na forma mais selvagem possível, no qual se livrou a concorrência, e as pessoas são meras consumidoras, mas que ganham em troca, uma ‘vida feliz’ (graças ao Soma e a quase ausência do tempo de espera entre seus desejos e realização), e neste, o controle é por outro meio, por meio de uma vida 'miserável' vamos assim dizer.

O Grande Irmão (The Big Brother)
Big Brother Brasil, esta ‘coisa’ [que elogio ao invés de m*], de certo modo veio (pelo menos o nome) deste livro. Da obra genial deste autor, que numa época em que não existiam filmadoras e televisores (até onde sei), disse que em 1984 existiram “teletelas”, uma espécie de televisor que haveria praticamente em todos os lugares, nas casas das pessoas, cômodos das casas, ruas, e etc, tal ficaria sempre ligada, e na maioria das vezes traria informações do Estado, pura lavagem cerebral, para elevar as virtudes do Partido, ou informações totalmente duvidosas, que eram repetidas até as pessoas acreditarem que era verdade e não mais ter noção do que significa uma “informação original, puramente verdadeira, factual”. Todavia, esta Teletela também era um tipo de câmera, que estava em constante observação das pessoas, dos cidadãos (os camaradas), todos eram observados minuciosamente, e viviam como se fosse um conceito ou lei natural sentir-se sempre sob vigilância. E todas essas informações, monitoramento era feito pela Policia do Pensamento, qual se suspeitasse que alguém estava andando fora da linha, fazendo algo anormal, incomum, ‘pensando demais’, com alguma idéia revolucionária, ou ‘anti-social’, ou qualquer coisa perturbe a paz e a ordem, ou como as coisas são, um mero olhar de insatisfação, de desesperança, qualquer coisa que pudesse gerar um sentimento de revolta, motim, guerra civil, ou de apego demais para alguma coisa, ao invés de servir aa servir o Estado e aos seus camaradas... bem, então tal pessoa, certamente, em alguma noite seria pega a noite pela Policia do Pensamento, interrogadas, brutalmente torturadas e assassinadas. Mas enquanto isso, tudo isto, era a maquina por detrás. Pois o conceito, era que o Grande Irmão sempre estava vigilando a todas, vigilando a sociedade, monitorando, e acertando as coisas para deixa-la sempre em ordem, e fazer as pessoas ‘mais felizes’.

A Precariedade
Uma das questões mais abordadas e deixadas claras, é sobre como seria a Produção conduzida pelo Partido, pelo Serviço Publico, concentrado nesta Máquina (qual podemos fazer uma comparação para o modelo capitalista, em que são muitas empresas, e que há a concorrência, e se preocupam com a questão da oferta/demanda e qualidade). Tudo era precário, e tudo sempre estava em falta, e era racionado. As pessoas tinham sempre roupas velhas, remendadas, rasgadas, as cidades era sempre meio que destruídas, vidros trincados, estilhaçados, com papelão, tudo mal rebocado, pintado, as pessoas não encontravam nem gilete para barbear (era um item de constante procura), tinha o Gim, uma espécie de Bebida que era puro Alcool e horrível de se tomar, mas era tudo o que tomava como um tipo de adornos (como era o soma no Admirável Mundo Novo), porém, que era nauseante, horrível de se tomar, fedia etc. Tudo era muito precário tanto para quem pertenciam as funções inferiores do Partido, quanto, mais ainda, para quem era da Prole. Os cigarros eram tão ruins, que sempre esfarelavam ou caia o fumo no chão se não fosse pego com cuidado. Ninguem andava com um sapato novo ou em boas condições. Tudo estava sempre em falta.

A Mídia – A Moldadora de Opinião (melhor dizendo: de cidadão)
No “Admirável” as pessoas eram condicionadas desde o nascimento, em sua educação pelas “Repetições” e os processos de condicionamento, e as frases que sempre ouviam mesmo em quando dormiam. No 1984, é o total CONTROLE da mídia pelo Estado, em função a servir aos propósitos do Estado. Anunciavam só aquilo que era de satisfação do estado, entre eles, tornar as pessoas sujeitas aos seus interesses, e fazê-las acreditar que o Estado, o Partido, o Grande Irmão está lutando por eles, para o bem, e sua felicidade. É sempre, essas informações, esse tipo de programação, de músicas.

Guerra, Caramadagem - A Ilusão da União e Dever
Além disso havia o condicionamento dos interesses do Estado, em fazer as pessoas amarem, se confraternizarem como uma Nação, contra as demais Nações, e contra os OPOSITORES desta ordem. Como no Cinema, e o Dia do Ódio, onde eram apresentados coisas, de modo que estes INIMIGOS, sempre possuem idéias tão absurdas que até uma criança de 7 anos percebe quão ridículas são e se revoltam. E elas ficam lá, falando e fazendo, por muito tempo, de modo que deixam as pessoas totalmente irritadas até ficarem fora de si, e começam então a manifestar todo o seu ódio para com tais Inimigos, xingando, mostrando agressividade, pulando como loucos, uivando como animais, e naquele MOTIM, em que todos os camaradas se unem como uma fraternidade em função desse Inimigo em comum. E ai então surge a imagem do Grande Irmão, a pessoa diferente com as ideias amistosas, de bem-estar comum, que luta contra este Inimigo, e aí todos começam a admirá-lo, aplaudi-lo, parabenizá-lo, exaltá-lo, amá-lo. E assim o Partido, através da mídia vai promovendo um CONTROLE na população, um senso de união nacional, a caramadagem.

A Alteração do Passado e a Extinção da História
Outra função do Partido era alterar o passado. Sempre alteravam o passado. Tudo era alterado. Toda a História foi alterada. Todas as informações dados foram alteradas de modo a servir aos interesses do Partido, do Estado. E isso constantemente era feito. Revistas, jornais, livros, eram eliminados, ou reeditados, e reimpressos. Se uma pessoa era era eliminada, vaporizada, logo todos os registros de sua existência sumiam. E logo, dentro de pouco tempo, ninguém mais sabia que tal pessoa um dia tinha existido, ou duvidariam da própria memória. A memória da pessoa era constantemente atacada. A História era constantemente mudada, alterada. De modo, que as alterações de forma geral, acabavam sempre sendo alterações de outra alteração. Mesmo os mais pensadores, filosóficos, praticamente dificilmente poderiam ter certeza sobre algo, de algum dado informação, não sabia o que era mais verdade e o que era original. Aliás, não conheciam como era o Mundo fora da sua nação, e não conheciam como era o passado antes do Partido. Os poucos sobreviventes daquelas épocas antigas, eram muito velhos, e tinham péssimas memórias, na verdade, totalmente inúteis.

As pessoas tinham um senso de que a vida era sempre aquela miséria, infelicidade, o mundo sempre em guerra, as longas jornadas de 12 horas de trabalho diários, e olha lá, as teletelas, o Dia do Ódio, as mudança dos registros, os noticiários, o Gim, a precariedade das coisas. No fundo sentiam um certo descontentamento com a vida, como se as coisas pudessem ser diferentes. Mas será que podia ser? Como era antes do Partido? E se não houvesse o Partido? E se as coisas não fossem tão controladas pelo Estado? E se as pessoas pudessem manifestas e lutar mais pelo seu individualismo e liberdade de expressão? Liberdade de possuir suas próprias coisas, liberdade de ter uma família de verdade? Liberdade de poder se apegar a uma mulher? Mas a vida foi sempre assim.


A REDUÇÃO DAS PALAVRAS
Historicamente, foi um processo de grandes, incríveis conquistas inventar novas palavras. Foram criadas para simbolizar uma nova ideia, um pensamento em especial. E assim de certo modo, a grosso modo, quanto mais palavras, mais rico o vocabulário, e mais rico é a liberdade da mente em pensar, sentir e expressar. Bem, um dos propósitos do Partido, é sempre estar reduzindo o Vocabulário da sociedade, vai reeditando o idioma, o Novalingua, sempre buscando diminuir um monte de palavras, "inúteis". Mas sempre este trabalho - feito pelos profissionais em Letras e Filosofia - é visto como um dos mais incríveis empenhos e avanços da Sociedade. E assim iriam limitando palavras, reduzindo as expressões, por exemplo, se você quer dizer que algo é ‘bom’, não precisa das palavras ‘magnifico’, ‘extraordinário’, apenas ‘bom’, agora, se precisa classificar algo como muito mais do que bom, apenas poderia usar a palavra ‘plusbom’. E assim, se buscava economizar as palavras, reduzindo-as silabicamente, e ao mesmo tempo reduzindo as expressões, adjetivos e um monte de excessos desnecessários. E ainda também eliminando palavras ‘ruins’, palavras indesejáveis, palavras que não convém a Nação, a Ordem, ao Partido. Um dos argumentos, é que as pessoas conhecendo palavras ruins, violentas por exemplo, ou de indignação, iriam ficar pensando nessas coisas, nessas palavras, iriam tentar expressá-las, e isso produziria infelicidade e descontentamento nelas; então, se removesse tais, por mais que em algum momento elas ‘sentissem algo’, não saberia o dizer o que é, não saberiam que nome, que associação usar, nem como expressar... e assim, não expressariam, não extravasariam, e então ou logo aquilo iria sumir sem afetar a sociedade, ou então, morreria com ela mesmo. Ou então, se a Policia do Pensamento percebesse algo estranho (como sempre acontecia), logo, vaporizavam tal pessoa.

Os Dias de Hoje
É impressionante, quando pensamos na sociedade hoje. Eu particularmente vejo claramente este fenômeno acontecendo. Não sei dizer se há uma pessoa por detrás disso. Talvez, algo sem pensar. Mas está acontecendo um processo de emburrecimento nítido das pessoas. Podería falar da ‘linguagem lógica’ (daqui a pouco estaremos falando como linguagem de programação), algo que por exemplo, vem ocorrendo com o “Internetes” e os “Populismos exagerados da periferia”, por exemplo, usam palavras (desculpe o termo) como “foda” para exprimir mais de 50 significados, tanto ruins, quanto bons, ou interjeições, ou para xingar, ou elogiar, ou como final de frase, ou como um ‘tick lingistico’, como adjetivo, adverbio, substantivo, até como verbo como ‘fuder’ (o que também pode-se referir a diversas conotações, desde atos de violência, até eróticos, ou como mera ameaça). Mas além disso, também tenho percebido um empobrecimento linguístico nas pessoas, é comum encontrar pessoas que não entendem metade das palavras que eu digo. Talvez por uma cultura de lerem pouco. Mas por outro lado, há quem costuma ler. Mas que em maioria, o que procuram ler são romances adaptados para um linguajar mais ‘popular’, mais reduzido.

Onde vejo um exemplo claro disso, é em questão as versões da Bíblia. Bem, eu tinha uma Bíblia de 1994, Almeida Revisada e Corrigida, eu gostava muito do linguajar dela, era muito poético, e de inicio eu não entendia metade das palavras, usavam muitas palavras muito exóticas, mas ‘A DENSIDADE SIGNIFICANTE’ [inventei essa agora, gostei – percebem? Cade uma palavra para expressar melhor isto?] era muito intenso, era um linguajar muito mais poético, com o tempo, dava muito gosto de lê-la, as palavras eram muito bem temperadas, os versos eram, muito expressivos e profundos - era quase impossível uma leitura superficial. Mas depois disso, foram ‘popularizando o linguajar’ (e há quem faz um monte de comentário de que isto é bom), foram diminuindo a quantidade de palavras, verbos, adjetivos, e adaptando para apenas aquilo que era mais conhecido no popular de hoje, inclusive expressões. Com isso, as notas de rodapé foram diminuindo, pois antes, por exemplo, esta de 94 que eu tinha, sempre tinha muitas referências, pois você lia o verso e não entendia, ai lia várias outros versos tratando da mesma questão, e ai com a razão, você conseguia então vislumbrar uma ideia do significado. Mas hoje não, está tudo mais ‘explicito’, ‘seco’, ‘frio’, vamos assim dizer, é uma linguagem mais ‘direta’(robótica, quase que binária)) e menos poética (como a NVI, e até as Almeidas de hoje). Consequencia disso - eu particularmente - é uma linguagem, uma leitura mais ‘sem sal’, ‘pobre’, não tão significativo, as vezes tenho a impressão de estar lendo um texto para crianças, pensamentos infantis; ou como comer um arroz refinado, depois de estar acostumado com o integral. É pobre o linguajar, você não se sente muito nutrido. E talvez o maior perigo esteja nesta colocação que agora faço: “VOCÊ NÃO PRECISA MUITO, AS VEZES NEM PRECISA, PENSAR PARA COMPREENDER, ENTENDER.” Ou seja, ‘você não pensa’, é uma leitura que tende a ser como a leitura de um Romance, ou assistir uma Novela, ou pior ainda, como “MANTRAS”, como apenas ‘frases, ideias’ para serem lidas, entendidas, engolidas, como que axiomáticas.

Informação ao Invés de Transformação
Hoje parece que nos contentamos em ter uma informação, ao invés de sentir uma transformação dos nossos pensamentos, por capturar a ideia. É como se estivessemso perdendo a individualidade, o lado humano de lidar, ser impactado e afetado por tais. Parece que apenas se trata de ter 'uma informação', um conhecimento, um diploma. É aquela coisa. "Há, eu sei que há x bilhões de pessoas no mundo." E simples assim, mas essa informação, é tão desconexada da pessoa, que não envolve a pessoa, seus pensamentos, o que esse número quer dizer? Qual as implicações para o mundo, a Economia, a Sociedade, as Culturas, a Sobrevivência, Sustentabilidade e para o Individou? Há uma enormidade de questões importantíssimas que isso afeta. Além disso, por exemplo, o atual cenário Economico-Politico-Social do mundo, é uma explosão tentando ser contida, sabe-se lá até quando, que irá impactar a vida de cada indivudo. As pessoas, tem a 'informação' de que isto está acontecendo, mas e daí. É apenas uma informação, ou seja, apenas tem essa informação armazenada numa linha de registro no banco de dados da cabeça, ou no Wikipedia, mas é só isso; as pessoas parecem estar pensando como um banco de dados. A informação não envolve a pessoa, seus pensamentos, a informação não é trabalhada. Caso contrário, provavelmente a postura da maioria mudaria, ao invés de viver como se simplesmente nada estivesse acontecendo, como se sempre fosse ser assim. Como se estivesse garantido que no dia de amanhã, fará as mesmas coisas, terá as mesmas coisas, terá comida, água, transporte, civilização ( no sentido de pessoas vivendo em comunidade, seguindo regras). Ou seja, as pessoas não estão mais sendo afetadas pelas informações.

E ai quando pensamos em questão a Teologia, a Religião, a Bíblia por exemplo. O mesmo acontece, você vê apenas 'informação'. Mas não processos, mudanças, transformações, algo que move e mexe as pessoas. Que diferença fazem as doutrinas, as informações? A maioria, nos dias de hoje, leem, as informações, e PRONTO, "Agora eu sei." (tenho a informação). Todavia, tudo isto é incoerente com o que realmente é o cristianismo. Pois as suas informações contidas, não são como um bloco de informações que se guarda numa estante. Mas como 'carpinteiros, faxineiros, arquitetos, decoradores, carpinteiros', que te convidam a permiti-los fazer uma mudança, transformação na sua casa.


O FILME
Bem, melhor parar por aqui. Quando concluir o livro, creio que terei idéias melhores trabalhadas, e mais coisas para compartilhar. Alias, pesquisando sobre o livro, descobri que fizeram o filme sobre o livro. E que é possível encontrá-lo no Youtube. Achei este em Espanhol, é a primeira parte, acesse-o no Youtube, e terá o link para as demais partes. (ainda não vi o filme para ter uma opinião sobre tal).



12 janeiro 2012

Admirável Mundo Novo - Fim

0 comentários
Os últimos capitulos do livro são extremamente densos. Se você acha que não tem muito o que esperar, bem, conforme se chega próximo ao fim, o livro apenas intensifica. Os últimos 3 capítulos pelo menos, são extremamentes filosóficos do autor. Como se quisesse expor toda a sua filosofia, comprimindo-a, e levando o leitor a refletir e pensar nas questões que ele tentou levantar com o livro. Mas nada, NADINHA de filosofia barata; simplesmente, extraordinário. Confeço, que levarei meses, anos, talvez toda minha vida para digerir as palavras do seu final, sobretudo, das palavras do Administrador Mustafa Mound.

Em primeiro lugar, tenho que tirar o chapéu para o falecido autor, que em 1930, já colocou como seriam as super 'armas' do futuro em que a policia usaria. Ao invés de "Metralhadora alemã ou de Israel estraçalha ladrão que nem papel" (como dizia uma daquelas coisas que eu chamava de música na minha adolescência), é uma máquina que produz uma música sintética e que solta um gas cheio de uma droga no ar, que faz as pessoas no ambiente se sentirem totalmente amáveis uma com as outras, afetuosas, carentes, de modo a desistirem e esquecer de seus aborrecimentos. Uma máquina não só para 'controlar um motim, uma revolta', mas para 'reverter'; máquinas de poder psiquico. E para os casos mais emergenciais, uma pistola que lança um dardo tranquilizante, que imediatamente derruba a pessoa como gelatina no chão, como se não tivesse mais músculos e ossos.


Bem, agora vamos ao que interessa. Sem mais enrolação, replico apenas as palavras do livro, no momento que faz uma declaração sobre a religião, sobre Deus; e porque deve ser banido da sociedade para poder haver felicidade e controle social.

- Mas se os senhores não ignoram Deus, por que não falam nele? - perguntou o Selvagem, indignado. - Por que não permitem a leitura desses livros sobre Deus?
- Pela mesma razão por que não apresentamos Otelo: eles são antigos. Tratam de Deus tal qual era há centenas de anos, não de Deus como é agora.
- Mas Deus não muda.
- Acontece que os homens mudam.
- Que diferença faz?
(...)

- ... Bem, como eu ia dizendo, havia um homem que se chamava Cardeal Newman. Ah, eis o livro - retirou-o do cofre - E já que estou aqui, vou tirar também este outro. É de um homem que se chamava Maine de Biran. ...
(...)


- ... - Abriu o livro no lugar marcado com uma tira de papel e começou a ler: "Nós não pertencemos a nós mesmos, assim como não nos pertence aquilo que possuímos. Não fomos nós que nos fizemos, que não podemos ter a jurisdição suprema sobre nós mesmos. Não somos nossos próprios senhores. Somos a propriedade de Deus. Não é para nós uma felicidade encararmos as coisas desse modo? Será a qualquer título uma felicidade, um conforto, considerarmos que pertencemos a nós mesmos? Os que são jovens e prósperos podem acreditar nisso. Podemos crer que é uma grande coisa serem capazes de conseguir tudo segundo os seus desejos, como supõem - não dependerem de ninguém, não terem em pensar em nada que não esteja ao alcance da vista, dispensarem a obrigação molesta da gratidão constante, da prece contínua, da incessante referência a tudo o que fazem à vontade de outro. Mas com, o correr do tempo, acabam percebendo, como todos, que a independência não foi feita para o homem - que é um estado antinatural -, que pode satisfazer por algum tempo, mas não nos leva com segurança até o fim..." - Mustafá Mond parou, pousou sobre a mesa o primeiro livro e, tomando o outro, virou-lhe as páginas. - Veja isto, por exemplo - disse, e com sua voz profunda começou a ler novamente: - "Um homem envelhece; percebe em si mesmo aquela sensação radical de fraqueza, de atonia, de mal-estar que acompanha o avançar da idade; e, sentindo-se assim, julga estar apenas doente, aquieta seus temores com a idéia de que esse estado penoso é devido a alguma causa particular da qual espera curar-se como de uma moléstia. Vãs imaginações! A moléstia é a velhice; e trata-se de uma doença horrível. Dizem que é o medo da morte, e do que vem depois da morte, que leva os homens a se voltarem para a religião à medida que os anos se acumulam. Todavia, a experiência pessoal me trouxe a convicção de que, completamente à parte de tais temores e imaginações, o sentimento religioso tende a desenvolver-se quando envelhecemos; tende a desenvolver-se porque, à medida que as paixões se acalmam, que a fantasia e a sensibilidade vão sendo menos excitadas e menos obscurecida pelas imagens, desejos e distrações que a absorviam; então, Deus emerge como se tivesse saúde de trás de uma nuvem; nossa alma vê, sente a fonte de toda luz, volta-se natural e inevitavelmente para ela; porque, tendo começado a esvair-se dentro de nós tudo aquilo que dava ao mundo das sensações sua vida e seu encanto, não sendo mais a existência material sustentada por impressões externas e internas, sentimos a necessidade de nos apoiarmos em algo que permaneça, que nunca nos traia - uma realidade, uma verdade, absoluta e eterna. Sim, voltamo-nos inevitavelmente para Deus; pois esse sentimento religioso é por natureza tão puro, tão delicioso para alma que experimenta, que compensa todas as nossas perdas".


- ... "Só se pode ser independente de Deus enquanto se tem juventude e prosperidade; a independência não nos levará até o fim em segurança." Pois bem, agora nós temos juventude e prosperidade até o fim. ... "O sentimento religioso nos compensará de todas as nossas perdas." Mas não há, para nós, perdas a serem compensadas; o sentimento religioso é supérfluo. ... Que necessidade temos de repouso, quando nosso corpo e nosso espírito continuam deleitando-se na atividade? De consolo, quando temos o soma? De alguma coisa imutável, quando temos a ordem social?
(...)
- Mas não é natural sentir que há um Deus?
- ... Cremos nas coisas porque somos condicionados a crer nelas. ...
(...)
- E o desprendimento, então? Se tivessem um Deus, teriam um motivo para o desprendimento.
- Mas a civilização industrial somente é possível quando não há desprendimento. É necessário o gozo até os limites impostos pela higiene e pelas leis econômicas. Sem isso, as rodas cessariam de girar.
- Teriam uma razão para a castidade! - disse o Selvagem, corando levemente ao pronunciar as palavras.
- Mas a castidade significa paixão, a castidade significa neurastenia. E a paixão e a neurastenia significam instabilidade. E a instabilidade é o fim da civilização. Não se pode ter uma civilização duradoura sem uma boa quantidade de vícios amáveis.
- Mas Deus é a razão de ser de tudo o que é nobre, belo, heróico. Se tivessem um Deus...
- Meu jovem amigo, a civilização não tem nenhuma necessidade de nobreza ou de heroísmo. Essas coisas são sintomas de incapacidade política. ... E se alguma vez, por algum acaso infeliz, ocorrer de um modo ou de um outro qualquer coisas de desagradável, bem, então há o soma, que permite uma fuga da realidade. ... O Cristianismo sem lágrimas, eis o que é o soma.

...

Poderia comentar muita coisa, mas estou sem animo para fazê-lo. Apenas considero, que após ler bem os últimos capítulos, me tomei conta, que este Admirável Mundo Novo já é a realidade para muita gente, talvez para a grande maioria do Ocidente. O mundo que preza pela sensação de bem-estar, conforto, e de prazeres infantis como viagens, carros, helicópteros, tvs, tecnlogias de luxo, jogos, músicas infantis, filmes infantis, uma infantilização do homem; o homem que não precisa mais lutar, sofrer horrores, de atos de bravura, heroísmo e altruísmo para realmente conquistar a maioridade; e é assim, se resumir uma vida, os desejos e a satisfação do homem em poder consumir tranquilamente essas coisas, sem importunio até a morte chegar. E sendo assim, para que o homem precisa de Deus? Quando tudo pode ser solucionando, deixando que um 'bom Estado' controle nosso nascimento, nosso condicionamento, nossos desejos, nosso trabalho, nossas ambições, nossos relacionamentos... de modo a termos uma sociedade sem insatisfações, revoltas, e descontroles. E quando houver, uma super droga (soma), que basta um capsula de 500mg tiradas do bolso, para resolver tudo.

É este o mundo em que vivemos, Só não com tanta 'qualidade'. Mas tudo está tentando ser maximizado. ...

E o que resultará disso?


Nota.:
Todavia, o autor faz uma colocação de um mundo no qual fosse possível tornar-se DURÁVEL, ESTÁVEL. Algum tipo de total controle dos fenômenos da natureza quais não se pode ainda controlar, como terremotos,  tempestades, vulcões etc. Mas ai entra uma questão, que torna a obra ficção, pois nunca chegaremos a tal ponto. Por que? Porque o mundo já está condenado. A calamidade afronta o mundo. Seja nos ambitos Naturais, seja nos ambitos produzidos pelo homem, como a escassez de recursos naturais, de alimentos, água, doenças, poluição, intoxicação, superpopulação, conflitos etnicos, e instabilidade economica (neste ponto, um caos sempre adiado, tentando ser empurrado para as gerações futuras)... cedo ou tarde, essa avanlanche vai acontecer (em quanto isso, a neve vai se acumulando no topo da montanha), e ai quando chegar, vai destruir tudo isso a humanidade pensará conquistar como bens duráveis. E ai, quem sabe, não tenhamos uma nova mudança ao passado, depois do banho de água fria.

07 janeiro 2012

Admirável Mundo Novo

2 comentários
Estou lendo a incrivel obra “Admirável Mundo Novo” (Brave New World) de Aldous Huxley. Um grande clássico de ficção, publicado em 1932, que descreve o mundo no futuro, de modo de como as transformações que agora estão ocorrendo, de uma perspectiva consumista, utilitária, entre outros; de modo que extrapola mostrando claramente que espécie de futuro, de sociedade que estamos formando. E o admirável, é que o livro foi escrito por volta de 1930, ou seja, numa perspectiva de civilização daquela época. Com isto, hoje, 70 anos depois, vemos claramente que muitas das coisas propostas pelo livro (que talvez fossem utopias na época) hoje já são realidade, e outras, em processo.

1. Do controle populacional
Nesse futuro, as pessoas foram condicionadas a ter total repulsão em ter filhos, de modo que a anticoncepção tornou-se um valor intrínseco, tão elementar quanto dizer que ninguém quer passar fome. E deste modo, não existia mais o conceito de ‘familia’, de ‘mãe’, ‘pai’, tais passaram a ser considerados selvagerias do passado, de uma sociedade bárbara, que dá a luz 'como um animal’. Mas a nova produção de pessoas é totalmente feita em laboratório, muito controlado, com uma perspectiva Fordista (alias, Ford é considerado o Deus, na obra), de modo a maximizar a produção; e já atribuindo aos embriões as características das castas sociais a qual pertenceria. Todavia, para chegar neste ponto, a humanidade teve que passar por uma grande Guerra Civil, um grande extermínio de quando a população chegou a nível alarmante, de modo, que aqueles que eram contra a este 'novo modelo de sociedade', foram sendo exterminados brutalmente. Todavia, depois, perceberam, que era mais fácil e dava mais resultado apenas ir condicionando, convencendo as pessoas, através da propaganda. Ah, como ia me esquecer, e caso alguém por acidente engravidasse, havia o grande Centro de Aborto; e do mesmo modo, era óbvio fazer o aborto.

2. Do Utilitarismo
As pessoas eram produzidas a partir de uma demanda. Por exemplo: “Preciso de x engenherios”, ou “Preciso de y mineradores.”, ou “Preciso de w limpares de esgoto.” E por assim vai. E desde a escolha de como seria formado o feto, até como este seria produzido até ter então o ser humano pronto, tudo era pensando em função do seu trabalho, “da utilidade que exerceria”. E assim, mesmo quando bebe, e por assim vai, toda a ‘educação’ dele seria um condicionamento para exercer perfeitamente o trabalho que realizaria (alias, o ideal era produzir o maior número de gêmeos possível), só poderia ler livros sobre tal, seria condicionado de modo a considerar que isso, esse trabalho era a sua felicidade e a não desejar, nem imaginar ou pensar em realizar a função, trabalho de outra pessoa. Ao mesmo tempo, que o Consumo de coisas manufaturados era uma obrigação, fazia parte da utilidade, então eram condicionados também, a não admirar ou gostar de se divertir com a Natureza por exemplo, contemplar uma paisagem, as estrelas, ir numa cachoeira, observar as flores, porque isso não trazia vantagem financeira, não precisaria consumir coisas para isso, então eram condicionadas a odiar, detestar tais coisas; mas sim, a viver nas cidades, e a se divertir com brinquedos e esportes que tivessem que usar muitos objetos produzidos pela industria, e cada vez, que fossem se divertir, mais objetos.

3. Do fim da moral (ou melhor, a transformação)
Para ocorrer esses acontecimentos, seria, obviamente, também necessário controlar a perspectiva filosófica de vida destas pessoas. De modo, que então, se criaria vários clichês, frases com os conceitos do que queriam que as pessoas pensassem, o que queriam ter como perspectiva de vida, felicidade, do que era bom, e isto era repetido infinitamente em sua infância e adolescência, no dia-dia, até mesmo enquanto dormia, e tinham que exercitar, ficar repetindo 500 vezes, 2 vezes por semana, por 5 anos (não lembro os números exatos). E então, para eles, isto os convenceria, isto então FORMARIA UMA VERDADE. Qualquer verdade poderia ser produzida, bastasse repeti-la infinitas vezes, para toda a massa da população, impossibilitá-la de pensar diferente, e ai viraria tudo senso comum, e todos iriam acreditar que aquilo era verdade. E tudo isso tinha uma perspectiva Estadista (vamos assim dizer), de controle do Coletivismo, ou seja, o condicionamento consistia em criar as seguintes verdades, por exemplo:

- Não existe pior ato, ou mais depravado do que ser mãe, ou pai, ou ter família, dar a luz a um bebe;
- Todos são importantes para o todo, cada um tem que fazer a sua função e respeitar a do outro;
- Todos são de todos; ser individualista, pensar no ‘eu’, é imperdoável;
- É preciso consumir tudo o que é novo. Sempre jogar as coisas velhas fora e comprar um novo. É preciso Consumir, comprar coisas novas, de tudo. Consumir e consumir, quanto mais coisas, melhor. É melhor comprar uma roupa nova do que remendar.
- Se sentir um tiquinho de infelicidade, preocupação, insatisfação, dúvida, tome um pouco de soma imediatamente.

Nesses condicionamentos, temos as maximizações de alguns conceitos já presentes; que a grosso modo, achamos ‘bons’. Todavia, que não passam de modelos de controle social. Bem, consequente a essas coisas temos também que não haveria lógica permitir que ideias de filósofos, ou então, tampouco de religiões, sobretudo do Cristianismo, ocorressem. E tais coisas, foram erradicadas, abolidas, exterminadas como pensamentos nojentos dos selvagens primitivos do passado, dos incivilizados.

Toda a moral Cristã foi erradicada. E com isso, logicamente, temos então, os avanços máximos da tecnologia, que permitem tornar o homem plenamente satisfeito, feliz; e ao mesmo tempo, não frustrado, não ansioso. E com isso, tem a questão do ato sexual, ‘brincadeiras eróticas’ (como seria dito, é literalmente, uma brincadeira). Pois, as pessoas naturalmente tinham esse desejo, e aí, quando eles percebiam que tinham esse desejo, mas não conseguiam um parceiro(a), ou tal não aceitava, tal ficava frustrado, triste, chateado, até que então finalmente conseguisse. Ou seja, entre a consciência do desejo e sua realização havia um tempo. E quanto maior esse tempo, mais ruim é para o homem, mais frustra, mais infeliz. Logo, as pessoas foram condicionadas, e junto a tecnologia erradicar isso, e assim, por exemplo, em questão ao sexo. Todos eram de todos, não existia essa coisa de privacidade, de casal, união, era apenas brincadeira ao mesmo tempo, um dever civil, um dever como pessoa. E desde crianças, bebes talvez, eram condicionadas a ‘brincar’, ter inúmeros parceiros, “todos são de todos”. Se o Ricardo queria brincar de sexo com a Sheila, eles simplesmente iriam atrás da moita e faziam (atrás da moita porque o livro foi escrito em 1930, se fosse escrito hoje, bem, sigamos que na Holanda já é permitido fazer sexo em público - e livro nem faz menção há pessoas do mesmo sexo fazerem), não era algo pessoal, sentimental; era apenas a realização de um desejo, a satisfação. Todos eram condicionados a querer fazer, com todos, se alguém oferecesse, você tinha a obrigação de aceitar. E assim, era para todos os desejos que hoje poderíamos chamar de ‘carnais’ do homem. Alias, nisso, as mulheres de certo modo, eram mais consideradas, como mais status, mais desejada, aquelas que eram consideradas mais 'pneumáticas'.

4. O Fim da Vida
Do mesmo modo, as pessoas eram condicionadas a não ter outra perspectiva de vida senão a que foram condicionadas a viver. Os avanços da tecnologia (além de permitir 100% de sucesso no condicionamento) permitiram as pessoas envelheceram tão jovialmente quanto uma pessoa de 30 anos. Todavia, quanto chegava aos 60 anos, era hora de morrer, pois a partir daí ia perdendo sua utilidade, já era velho, ou seja, tudo que é velho tinha que ser jogado fora, para um novo ser consumido. Iam para o incinerador, e todo a constituição do seu organismo era reaproveitada, por exemplo, para fertilizante, ou para o armazenamento de cálcio. Era apenas o fim. As pessoas eram condicionadas de que eram apenas um ‘produto’ (um robô), fabricadas para um fim utilitarista na sociedade, viveriam felizes, e ai, aos 60 anos era o fim da sua validade, e morriam. Pronto. Ninguém questionava a isso. E todos foram condicionados a considerar isso como o natural, obvio, elementar, inquestionável. (claro, mais um motivo para terem abolido o Cristianismo).

5. Soma – O Remédio Para Tudo
Bem, inevitavelmente, sempre acaba acontecendo qualquer situação de desconforto, de infelicidade, tristeza, incerteza, insatisfação, seja com o que fosse. Fosse por exemplo: “Hoje não estou afim de fazer sexo.”, ou “Fui mal na prova.”, ou “Fui demitido.”, ou “Tenho duvidas existenciais”, ou “sinto tédio” (o que era impossível, pois existiam diversas atratividades), ou "Sinto dor, ou com fome, ou nojo". Bem, seja qual fosse o embaraço emocional, o problema. O que hoje, muitas pessoas recorrem as diversas drogas existentes no mercado, como por exemplo, o Alcool, crack. Bem, neste futuro, os engenheiros químicos conseguiram fazer a droga perfeita. Bastava engolir uma capsula (alias, todos estavam sempre bem abastecidos com várias delas no bolso) e imediatamente teriam todos os melhores efeitos das drogas e com absolutamente NENHUM efeito colateral para organismo. Ou seja, não fazia mal para ninguém; não deixaria ninguém viciado, ou doente, ou com sono, ou lelé da cabeça, ou seja lá, o que normalmente hoje tentam usar de argumentam para não usar [“faz mal a saúde”]. Ou seja, bastava tomar, e todos os seus problemas eram esquecidos, você se sentia nas nuvens. Se estivesse uma triste chuva, você veria um lindo sol brilhar. Ficaria super feliz, contente, se sentiria, absolutamente a pessoa mais feliz do mundo.

E deste modo, o Soma, se tornou o instrumento mais essencial para controlar as pessoas. Pois, bastasse elas sentir ou pensar qualquer coisa que soasse ‘insatisfação’ com o como é as coisas, a vida, o mundo, a sociedade, como elas agem, o que aconteceu e etc; e bastasse tomar uma capsula de soma, e tudo estaria resolvido. E assim, tudo era normalizado novamente. (alias, a bebida alcoólica é o Soma do Brasil, com qual o Governo ainda consegue controlar um pouco a população: "Carro, futebol, churrasco e cerveja.", e o brasileiro está feliz)

E assim, o controle era realizado pelos administradores desta sociedade. Permitindo o ciclo da sociedade estável, da estabilidade e da ‘felicidade’ sempre continuo.


Bem, a partir desta ficção sobre o futuro, pense sobre os processos que estão acontecendo no mundo hoje, na sociedade, na sua vida, na sua carreira, no seu trabalho, na sua educação, na mídia, e tudo mais. O que está acontecendo com as famílias. E então pense: “Para onde estamos indo?”, “Que tipo de mundo estamos formando?”, “O que estamos fazendo?”, “Em que tipo de pessoa ou PRODUTO estamos nos tornando?”

Uma observação (entre dezenas que poderia fazer com este livro):
Há certo momento do livro, em que os jovens estudantes, já bem condicionadas (ou seja, verdadeiros observadores e guardiães da ‘verdade’), tais são levados há um tipo de palestra no qual o D.I.C. é falado sobre o passado, de como consideravam absurdo as pessoas não praticar sexo quando simplesmente desejarem. Este trecho, creio eu que vale a pena redigir:

“Revelou a espantosa verdade. Durante um período muito longo antes de Nosso Ford, e até no decurso de algumas gerações ulteriores, os brinquedos eróticos entre as crianças eram consideradas anormais (houve uma gargalhada); e não apenas anormais, mas realmente imorais (não!); e eram, portanto, rigorosamente reprimidos.
A fisionomia de seus ouvintes tomou uma expressão de incredulidade espantada. O quê? As pobres crianças não tinham o direito de se divertir? Não podiam acreditar.
- E até mesmo os adolescenes – dizia D.I.C. –, os adolescentes como os senhores...
- Não é possível!
- Salvo um pouco de auto-erotismo de homossexualidade, às escondidas... absolutamente nada.
- Nada?
- Na maioria dos casos até terem mais de vinte anos. (o livro foi escrito em 1930)
- Vinte anos? – ecoaram os estudantes, num ruidoso coro de cetismo.
- Vinte anos – repetiu o Diretor. – Eu os preveni de que achariam isso incrível.
- Mas, então, o que acontecia? – perguntaram. – Quais eram os resultados?
- Os resultados eram terríveis. – Uma voz profunda e vibrante interpôs-se no diálogo, sobressaltando-os.
(...)
- Terríveis – replicou.”
Admirável Mundo Novo, cap. 3


Isso escrito em 1930, e hoje: O que diríamos disso? É comum, talvez a maioria, dos adolescentes de hoje, com 12 ou 13 anos, já iniciaram sua vida sexual, e suas ‘brincadeiras eróticas’. E a tendência é diminuir a idade ainda mais. Ao mesmo tempo, que as baladas, o ‘fica-fica’ do dia-dia entre os jovens, está cada vez mais comum, um tipo de atitude semelhante a essa perspectiva do autor, sexo sem compromisso, tudo apenas como uma ‘diversão’, está se tornando normal. Enquanto, que já está crescendo o número dos que ‘riem’, dos adolescentes, que não fazem, ou dos que só depois dos 20, ou depois de casar.

Como já dizia a Biblia, no fim dos tempos, o mundo seria como Sodoma e Gomorra. Disso, para pior. O que há 70 anos era ficção e utopia, hoje já é, em grande parte, realidade. A próxima geração que aguarde.


Apenas para deixar o gostinho:
O livro previu o surgimento da música sintética, a música eletrônica, de produtos tecnológicos que produziriam cheiros, paisagens e cores, no interiores de casas, prédios, quartos...